Página 13 divulga manifesto ao congresso estadual extraordinário da Juventude do Partido dos Trabalhadores em Minas Gerais, realizado no último dia 19 de maio.

 

Companheira,

Companheiro,

O Partido dos Trabalhadores, que começou numa experiência tão jovem, envelheceu. Nesse sentido, nasceu a JPT, instância responsável por liderar uma juventude petista de massas e com forte conexão as lutas populares.

Porém, infelizmente esse não é o quadro que temos hoje, devido o desacumulo politico e organizativo e a dispersão das direções políticas da JPT, mesmo com um desafio muito grande em nossas mãos: construir uma grande mobilização popular para transformar Minas e o Brasil, contribuindo na construção do projeto democrático-popular, não perdendo jamais o horizonte socialista.

Para que a JPT possa contribuir efetivamente na defesa do nosso Partido e dos direitos da classe trabalhadora, a palavra de ordem é massificar! Nossa principal tarefa no próximo período é ampliar a mobilização em defesa de #LULALIVRE e dos nossos direitos, fortalecendo o diálogo com a juventude nos seus locais de trabalho, estudo e moradia. Nesse sentido, devemos dedicar esforços para mobilizar e organizar a militância petista para debater a defesa da liberdade e da candidatura de Lula em qualquer cenário, a necessária mudança de estratégia do PT, o programa das candidaturas Lula e Pimentel e uma JPT militante, de massas, socialista e democrática!

Mais do que nunca, a JPT não pode abdicar de sua autonomia de opinião e de ação enquanto juventude, formulando propostas e construindo campanhas em defesa das nossas bandeiras. Devemos ter um papel ativo para pressionar os governos à esquerda, ampliar sua base de sustentação popular e construir democraticamente políticas públicas para amplas parcelas das juventudes mineiras.

POR LULA LIVRE, LULA PRESIDENTE E DILMA SENADORA!

PRECISAMOS DE UMA JPT PARA TEMPOS DE GUERRA!

 

O Partido e a sociedade

Vivemos em um período de exceção, o que é quase regra no Brasil. Sabemos que todo o esforço para “estancar a sangria” que envolvia um golpe “com o Supremo, com tudo” não foi planejado para durar apenas dois anos. A prisão do companheiro Lula, único candidato da esquerda com viabilidade eleitoral, é mais uma etapa de manutenção do golpe jurídico-parlamentar e midiático! A escalada do desemprego, o genocídio da população negra e LGBT, o aumento dos feminicídios, a falta de democracia na mídia e principalmente, as demonstrações constantes de fascismo, refletidas nos ataques a militância de esquerda e na execução de Marielle Franco #MarielleVive!, revela claramente o tempo de guerra que vivemos.

É preciso aprender com os acertos e superar erros do nosso partido, principalmente a tática de conciliação e o distanciamento dos movimentos na base. Os acontecidos após o GOLPE de 2016 demonstraram o quão profundamente errados estão aqueles que acreditam que o PT estaria fazendo um governo tão moderado, supostamente ao agrado dos capitalistas e do imperialismo, que estes não teriam motivo para tentar derrubar e destruir o PT e a esquerda. Situação essa que se repete atualmente em vários estados onde estamos coligados com o MDB, inclusive em Minas, onde o PT encabeça a chapa, mas não governa e nem tem a palavra final.

Enquanto a direita, a mídia e o mercado deixam claro que querem destruir o PT e impedir que exista uma esquerda que seja alternativa de governo e que possa ser alternativa de poder, devemos deixar claro que queremos LULA LIVRE, LULA PRESIDENTE!, além de reafirmar em alto e bom som, conforme foi aprovado no 6º Congresso Nacional do PT: NÃO ACEITAREMOS ALIANÇAS COM PARTIDOS GOLPISTAS! DEFENDER O PT É MUDAR SUA ESTRATÉGIA! DEFENDER O PT É DIALOGAR COM A BASE E NÃO COM GOLPISTAS!

 

Por JPT-MG militante, de massas, socialista e democrática!

– Realização do Congresso Ordinário da JPT/MG no 1º semestre de 2019, independente da decisão nacional;

– Incentivo à realização dos Congressos Municipais da JPT/MG até dia 15 de Julho de 2018;

– Elaboração de um programa democrático e popular das candidaturas Lula e Pimentel para a juventude;

– Mobilização para eleição de Lula Presidente, Dilma Senadora, Pimentel Governador e demais candidaturas proporcionais;

– Reuniões periódicas, abertas e participativas para tomada de decisões, avaliações de conjuntura e retirada de calendário de atividade e lutas;

– Articular uma Rede das Secretarias Municipais da JPT-MG;

– Articular nossa autonomia financeira: que uma parcela do fundo partidário seja destinada à JPT;

– Dialogar com entidades e movimentos populares de forma constante, como com a Frente Brasil Popular;

– Impulsionar e dar suporte para a criação de Comitês e Núcleos da JPT;

– Espaços e cursos de Formação Política;

– Desenvolver uma cartilha sobre Trabalho de Base e Nucleação da JPT;

– Mapear a juventude petista pelo estado e fortalecer a interiorização da JPT, através de um Pleno Regionalizado;

– Realizar campanhas políticas que mobilizem pautas em favor dos direitos das juventudes e da classe trabalhadora;

– Atividades culturais periódicas que fomentem o encontro, a criação, a expressão e as diversas manifestações culturais das juventudes;

– Criação coletiva de estratégias de Comunicação física e virtual, que divulgue as ações da juventude petista e politize os militantes;

 

Reorganizar a JPT-MG: qual JPT queremos?

A JPT deixou de ser setorial para ser uma organização autônoma e de massas desde seu 1º Congresso em 2008, mas depois de dez anos, esse novo formato nacional não funciona plenamente. Assim como o PT em seus anos de governo, a JPT se burocratizou e se engabinetou, pouco se envolvendo no dia-a-dia, na organização partidária, de entidades e movimentos populares.

Precisamos urgentemente nos organizar e constituir uma JPT que seja referência de lutas e de toda juventude petista e simpatizante, correndo o risco de perder a referência da classe trabalhadora caso o contrário ocorra. Com isso, apesar das debilidades desse processo de Congresso Extraordinário, as Direções Provisórias Eleitas da JPT terão dois caminhos: ou cumprir um papel para reaglutinar e recompor a JPT a depender do debate político e tático e das resoluções que adotar; ou, caso seja vacilante, se tornar apenas mais um espaço burocrático, sem referência e capacidade dirigente.

É preciso lutar até ganhar na defesa de Lula, do PT e da classe trabalhadora. É preciso resistir com o mesmo espírito da militância que resistiu fisicamente em São Bernardo do Campo à injusta prisão de Lula.  É preciso uma JPT que rompa qualquer ilusão em alianças com setores do golpismo e na classe dos capitalistas. É preciso uma JPT socialista, democrática e revolucionária.

É preciso uma JPT para tempos de guerra!

 

Quem somos?

A Articulação de Esquerda (AE) é uma tendência petista cujo principal objetivo estratégico é tornar hegemônico no PT o projeto democrático-popular e socialista, fortalecendo os laços com a classe trabalhadora, atuando em unidade junto aos movimentos populares e utilizando o governo para realizar reformas estruturais, criando as condições para a superação do capitalismo.

CONTATO: Face @JAEMinasGerais /  jaeminasgerais@gmail.com

RMBH: Luiza (31 973627765) / Nery (31 999302019) / Vini (31 975207130)

Triângulo: Daniel (34 991920141) / Neves: Marcela (31 99996539)

Betim: Gideão (31 987344707) / Zona da Mata: Daniel (31 98758-9387)

Comente!

Fechar Menu
×
×

Carrinho