Por Antônio Augusto (*)

É uma violência das mais inauditas o golpe aplicado contra a democracia e as forças democráticas, de que é vítima o ex-senador Lindbergh Farias, candidato a vereador e puxador da legenda do PT na atual eleição municipal carioca. Lindbergh recebeu dezenas de milhares de votos na eleição deste domingo, 15 de novembro, inclusive o meu. Estava lá, candidato, na urna eletrônica.

O TRE-RJ, no entanto, esconde os votos recebidos por Lindbergh, nem sequer os computa, considera-o “cassado” por decisão absurda de uma juíza de primeira instância, num processo que é uma armação – referente a 2007! -, quando Lindbergh era prefeito de Nova Iguaçu. A acusação contra Lindbergh não tem a menor sustentação, refere-se ao uso do logotipo que identificava a então administração municipal.

Numa eleição em que o poder econômico pintou e bordou a favor do bolsonarismo, dos candidatos de partidos de direita e extrema-direita, na qual predominaram muitíssimas omissões, e a mais que escassa atuação da justiça eleitoral a respeito, se comete uma violência destas contra um político democrata e de esquerda, que esteve na linha de frente contra o golpe de Estado de 2016, em defesa da legalidade democrática e do mandato, conferido nas urnas, à presidenta constitucional Dilma Rousseff.

O BRASIL NÃO PODE SER UMA REPUBLIQUETA DITATORIAL

Este golpe ditatorial de agora contra Lindbergh atenta contra a lisura do processo eleitoral. Está dentro da estratégia do golpismo de demonização do PT como passo indispensável para minar, restringir ao máximo as liberdades democráticas, facilitar a aplicação do programa neoliberal de promoção do desemprego e destruição da economia nacional. Eu quero o meu voto! Lindbergh 13123! Protesto contra a cassação do meu voto! Não admito que cassem o meu voto! Eu votei com muito orgulho e consciência democrática em Lindbergh Farias. Lindbergh teve 24.912 votos, foi o 7º vereador mais votado no Rio, informação que é sonegada aos eleitores, aos cariocas e ao povo brasileiro.

Anular na mão grande os votos de Lindbergh Farias é um atentado contra as eleições, e às dezenas de milhares de brasileiros que votaram nele. Além de, muito interessadamente aos golpistas, diminuir a bancada do PT na Câmara Municipal carioca. Com toda a perseguição, mesmo sem terem contado os votos dele, o PT aumentou sua bancada no Rio nesta eleição de 2 para 3 vereadores. Querem impedir assim, também, a eleição de vereadores do PT, os votos de eleitores cariocas. É a cassação ditatorial de mandatos antes até dos eleitos tomarem posse. Aberração cujos precedentes estão na longa ditadura militar (1964-1985).

A cortina de silêncio, distorção e deturpação que se faz sobre o assunto, a Rede Globo, em primeiríssimo lugar, a comandar esta desinformação, com sua ultra-tendenciosa “cobertura” das eleições, faz parte desta enorme violência. Como diz o ex-presidente Lula, a principal vítima da perseguição judicial e midiática contra a democracia: “Absurda a decisão sobre a candidatura de Lindbergh Farias no Rio. Mais uma demonstração da Justiça sendo utilizada para manipular as eleições.

A democracia precisa prevalecer. Minha solidariedade ao companheiro. O povo carioca merece contar com um vereador da sua qualidade”. Que o TSE e, se for o caso, o STF, façam justiça. O esbulho que se pretende cometer contra Lindbergh, seus eleitores. centra a lisura eleitoral, e a democracia no Brasil, só encontra paralelo nas piores ditaduras latino-americanas, como eram as de Stroessner no Paraguai, ou a de Somoza na Nicarágua. Exigimos Justiça, respeito à vontade popular, ao processo eleitoral, e à democracia no Brasil.

(*) Antônio Augusto é jornalista.


(**) Textos assinados não refletem, necessariamente, a opinião da tendência Articulação de Esquerda ou do Página 13.

Este post tem um comentário

  1. Olga Aparecida da Fonseca dos Santos

    Que absurdo aJustica do TRE, seja tão covarde em esconder votos do PT, para privilegiar a extrema direita, o Brasil não é este que eu quero.

Comente!