O governo Bolsonaro se caracteriza por atacar a classe trabalhadora, as parcelas mais pobres e negras da população brasileira, as mulheres que sofrem crescentes violências e feminicídio, os povos indígenas, os direitos sociais, as liberdades democráticas, a educação, a ciência, a cultura, o meio ambiente e a soberania nacional.

As forças democráticas, populares e de esquerda lutam com todas as energias contra o governo Bolsonaro.

O PT é uma das forças que se opõem frontalmente ao governo Bolsonaro e suas medidas.

É deste ângulo que abordamos as eleições municipais de 2020, nossa tática, nossa política de alianças e a escolha de nossas candidaturas.

As eleições de 2020 devem se converter em um plebiscito contra o governo Bolsonaro e suas políticas.

Um momento para manifestar a crescente insatisfação popular contra este governo ultraliberal, reacionário, neofascista.

Este governo não caiu do céu e não será superado, se não derrotarmos o conjunto das forças que o sustentam.

O governo Bolsonaro é produto de um golpe desfechado em etapas sucessivas e encadeadas: o impeachment da Presidenta Dilma, a posse do impostor Temer, a condenação e prisão de Lula, a fraude eleitoral de 2018.

Várias forças políticas e lideranças individuais participaram, total ou parcialmente, desse múltiplo golpe.

Entre os golpistas e/ou cúmplices figuram, inclusive, alguns ex-petistas, com destaque para Antonio Palocci, personagens que se articularam com os interesses das classes dominantes, passando a servi-las como trânsfugas e delatores.

Os que contribuíram em maior ou menor medida para o golpe, objetivamente cumpriram um papel nefasto ao apoiar, em maior ou menor medida, esse projeto de destruição do país, dos direitos sociais e trabalhistas, da educação e saúde pública, do emprego e da renda, das liberdades democráticas, do meio ambiente (o Cerrado, a Amazônia, nosso litoral) e do patrimônio público nacional (Petrobrás, Pré-Sal, Alcântara).

Hoje, diante do crescente desgaste do governo, algumas forças políticas e lideranças individuais tentam se diferenciar da figura do presidente, embora continuem defensoras e/ou cúmplices da política neoliberal e do lavajatismo.

Alguns desses trânsfugas tentam — incrivelmente — obter o apoio do PT nas eleições de 2020. É o caso, por exemplo, da ex-senadora e ex-prefeita Marta Suplicy, que votou a favor do golpe contra a presidenta Dilma, apoiou Eduardo Cunha e Temer, entre outros atentados aos interesses do povo brasileiro.

Evidentemente, o Partido não pode, nem vai servir de escada ou de legenda de aluguel para personagens desse tipo.

27 de novembro de 2019.
Direção nacional da Articulação de Esquerda

Comente!

Fechar Menu
×

Carrinho