Por Ibanes Mariano (*)

Ao vencer pela quarta vez a Prefeitura de São Leopoldo, neste 15 de novembro, com mais de 46% dos votos, Ary Vanazzi (PT) mostrou ser uma liderança política consolidada que extrapola inclusive os limites municipais e estaduais.

Vanazzi, 62 anos, é militante do PT desde o início dos anos 80. Foi vereador por duas vezes, deputado federal também em dois mandatos e agora assumirá a prefeitura para um quarto mandato. Além disso, foi o primeiro Secretário Estadual de Habitação do Rio Grande do Sul no governo Olívio Dutra e presidiu o PT estadual de 2015 a 2017.

Com a eleição neste 15 de novembro, concorrendo contra um candidato identificado com o bolsonarismo, confirmou sua força política e a expressão de sua liderança na cidade, com um reconhecimento popular incontestável.

Esta liderança é fruto de uma longa jornada de trabalho na política e nos mandatos que Vanazzi acumulou na sua vida pública. Nestes períodos em que comandou a Prefeitura (2004/2008, 2009/2012 e de 2017 até agora) também presidiu e liderou entidades representativas da luta municipalista, como a FAMURS (Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul) e a ABM (Associação Brasileira de Municípios). Também exerce forte liderança em nível internacional e compõe as executivas da rede FALP de Periferias e do Mercocidades.

Governando bem, “na boa” e “na ruim”

Ary Vanazzi é um excelente gestor público em períodos de bonança, como foi nos seus dois primeiros mandatos quando trouxe para a cidade inúmeros investimentos, num tempo positivo e de crescimento dos governos Lula e Dilma. Suas equipes de trabalho têm qualidade técnica e política, entendem as necessidades da cidade e implementam os projetos buscando verbas e investimentos. Foi no tempo bom do Brasil que ele construiu mais de 10 mil casas populares, por exemplo.

Mas Vanazzi também sabe ser um ótimo prefeito nos momentos ruins. Ao reassumir a prefeitura, em 2017, encontrou uma situação falimentar com obras paralisadas, dívidas, folha de pagamento atrasada e nenhuma capacidade de crédito para investimentos. Mais uma vez, provou que com trabalho, equipe técnica e diálogo é possível governar para o bem-estar de toda a população. Vanazzi soube atender o povo mais carente, e também governou para todos os setores, com diálogo aberto e qualificado com micros, pequenos e grandes empresários dos mais variados segmentos. Confirmou um respeito por todos e a capacidade de fazer, mesmo isolado pelos governos estadual e federal. Mostrou que não é o compadrio que faz a gestão, mas sim o trabalho e a vontade de fazer.

Vanazzi recuperou as finanças; foi buscar crédito; investiu em calçamento em 200 ruas e, principalmente, na recuperação do Hospital Centenário, que mesmo sem receber verba estadual constituiu-se como referência na saúde regional, inclusive na pandemia do coronavírus. Enfrentou a pandemia com competência, cuidando da saúde da população sem descuidar da economia.

Esta foi a primeira eleição, em 20 anos, em que a pauta – de forma negativa – não foi o Hospital Centenário em São Leopoldo. Graças ao afinco e dedicação da equipe diretiva e funcionários do

hospital; e o comando da administração petista, desarticulou-se o quase eterno discurso de terra arrasada na saúde. O Hospital foi, na administração petista, transformado em 100% SUS e atendeu a todos os doentes da cidade na pandemia.

Coligação faz 9 vereadores de uma composição de 13

Houve também uma engenhosidade na política que refletiu na vitória eleitoral. Não se buscou aliança de ocasião visando só a eleição: a coligação com seis partidos (PT, PDT, PCdoB, PSB, PTB e Republicanos) que fizeram parte da base de seu governo acompanhou toda a gestão e conhece a fundo o trabalho realizado. Com a participação, trabalho e dedicação do vice Ary Moura, do PDT.

Na coligação houve também uma vitória esplendorosa na proporcional. Da composição de 13 vereadores do próximo mandato, nove eleitos são oriundos da aliança em torno do governo que assume em 1 de janeiro de 2021.

Da excelência de ter governado bem no bom momento e também nos piores emerge essa liderança incontestável de Ary Vanazzi. Um líder que sabe respeitar todos os cidadãos e cidadãs, nascidos em São Leopoldo ou migrantes (que formam um grande número na cidade).

O resultado da eleição demonstra que São Leopoldo tem a grande liderança – Ary Vanazzi – e que tem uma aliança fruto de um trabalho feito com dedicação, diálogo e em cima de projetos para a cidade.

Vanazzi soube trabalhar, organizar, articular e cuidar das pessoas num período tão difícil e a cidade foi na contramão da crise, com geração de empregos (São Leopoldo é líder no ranking de vagas entre as 10 maiores cidades do Estado), investimentos em infraestrutura e cuidados com as pessoas durante a pandemia de coronavírus.

Com tudo isso oferecido aos leopoldenses num terceiro mandato cheio de dificuldades econômicas, sanitárias e políticas, Vanazzi conquistou o reconhecimento nas urnas e caminha para governar a cidade até o bicentenário da colonização alemã, em 2024.

(*) Ibanes Mariano foi o coordenador geral da campanha de Ary Vanazzi


(**) Textos assinados não refletem, necessariamente, a opinião da tendência Articulação de Esquerda ou do Página 13.

Comente!