Por Mariuza Guimarães (*)

No dia 21 de agosto realizou-se a plenária nacional do Fórum Renova Andes (Oposição no ANDES Sindicato Nacional). Durante três horas, mais de 110 pessoas se mantiveram firmes no debate sobre a conjuntura política do país e o impacto sobre a educação, em especial, no ensino técnico e tecnológico e na educação superior públicas, por serem estas as que compõem a base do ANDES SN.

O evento iniciou-se com apresentação de um artista popular, Talis Ribeiro, que apresentou músicas autorais com críticas ao processo político ora vivenciado no país. Essa ação em nossas atividades tem um caráter de ressaltar que a cultura popular, que faz parte de nosso cotidiano, deve estar presente em todos os espaços, um direito que vêm sendo controlado e ameaçado pelo governo brasileiro.

Em seguida, a companheira Celi Taffarel fez uma fala enfatizando a luta pela garantia de direitos e pela organização da classe trabalhadora, promovendo uma ampla unidade das entidades sindicais em defesa dos serviços públicos, ameaçados pela Reforma Administrativa (PEC 32), proposta pelo Governo e em tramitação no Congresso Nacional.

A mesa principal da Plenária contou com Mariuza Guimarães (UFMS), Eudes Baima (UECE) e Luiz Fernando Rojo (UFF), que apresentou o balanço político, organizativo, eleitoral e perspectivas futuras do Fórum Renova Andes.

Ressaltou-se nas falas a conjuntura sindical, considerando o refluxo causado pelas reformas implementadas após o Golpe de 2016; a instabilidade do poder político no país; as questões da conjuntura que afetam a organização sindical; a necessidade de unidade e o isolamento auto imposto pelo ANDES em razão da concepção sindical de sua diretoria; a participação do Renova ANDES na Conferência Nacional Popular de Educação (CONAPE/2022) e na realização das conferências prévias em estados e municípios brasileiros, que ocorrem em 2021; a discussão emergencial das questões afeitas à categoria docente das Instituições de Educação Superior, Técnica e Tecnológica que compõem a base do ANDES SN, tais como perdas salariais, o retorno às aulas presenciais, entre outras; e a tarefa primordial de envolvimento da categoria docente na luta contra a reforma administrativa.

Após as falas da mesa, passou-se às falas da plenária. Foram em torno de  trinta inscrições representativas de todas as regiões brasileiras, que falaram da conjuntura; da necessidade de fortalecimento do Renova Andes e de novas formas de comunicação com a base docente; da discussão de uma comunicação mais permanente; do tratamento de demandas locais e específicas para aproximação da categoria, em especial aqueles que ainda não são filiados ao sindicato de base; de auto financiamento, com contribuições permanentes; entre outras contribuições políticas e organizativas.

Após as falas, que evidenciaram que o Renova Andes segue como importante referência de lutas para a categoria docente, aumentando a sua responsabilidade sindical, elegeu-se a nova coordenação nacional do Fórum Renova Andes, composta por aproximadamente, 40 pessoas. A nova coordenação, com mandato até 2023, tem a tarefa de implementar os encaminhamentos adotados pela plenária, manter o Fórum Renova Andes mobilizado e na luta junto aos demais movimentos populares e sociais que combatem os desmandos do governo federal, ultra neoliberal, de ultradireita e que vem mostrando cada vez mais o seu caráter genocida nazifascista.

(*) Mariuza Guimarães é docente da UFMS. Integra a Coordenação Nacional do Fórum Renova Andes, milita na AE MS.

Comente!