Por Patrick Araujo (*)

A realização do sétimo congresso do Partido dos Trabalhadores teve como uma de suas etapas a participação dos filiados e das filiadas no Processo de Eleições Diretas – PED, ocorrido no dia 08 de setembro. Dessa vez, o método adotado foi o de votar no PED para eleger diretamente as direções municipais e zonais do PT, bem como suas respectivas presidências.

Já a eleição das direções e presidências estaduais e da direção e da presidência nacional, ficou a cargo de congressos estaduais e do congresso nacional. Assim, também no PED, as filiadas e os filiados votaram nas chapas de delegados e delegadas para os respectivos congressos. Em outras palavras, no dia 08 de setembro votou-se para presidente municipal e zonal, para direção municipal, para chapa de delegados aos congressos estaduais e para as chapas de delegados ao congresso nacional.

Segundo dados divulgados pela Secretaria Nacional do Organização (SORG) no dia 20 de setembro, 351.034 filiados e filiadas ao PT compareceram para votar. Destes, 328.241 votos foram considerados válidos para as chapas de delegados nacionais, uma vez que 12.964 votos foram brancos e 9.829 votos foram nulos.

Não obstante o número de quase treze mil pessoas que foram até os locais de votação e optaram por não votar em nenhuma das chapas nacionais, destaca-se o fato de que o número total de pessoas que compareceram (351.034) representa apenas 17,2% do total de filiados e filiadas aptas a votar (2.040.882).

No cenário político vivido pelo país e particularmente pelo que vive o PT, esse percentual é muito ruim. Um de seus significados mais evidentes é o de que menos de ¼ dos filiados ao partido quiseram, puderam ou se mobilizaram para decidir os rumos que o PT tomará nos próximos quatro anos. Evidencia também os limites desse modelo de eleição das direções, no qual o conjunto do partido é acionado apenas para votar e não para debater a tática, a estratégia e avaliar coletivamente a política adotada pelas direções.

Além disso, outro péssimo sinal foi emitido pelo resultado nacional do PED e pela condução dada pela maioria da Comissão Organizadora Eleitoral (COE) do congresso. Da mesma forma que ocorreu com o PED anterior, uma imensa quantidade de denúncias de fraudes e irregularidades foram apresentadas. No entanto, o resultado do PED foi convertido em definitivo pela COE e ratificado pela executiva nacional do partido, de forma que os congressos estaduais ocorreram e o congresso nacional se realiza sem a apreciação dos recursos, com bancadas artificializadas e que distorcem a correlação de forças dentro do PT.

Das chapas nacionais inscritas, aquela que representa a atual maioria da direção do partido obteve sozinha maioria absoluta dos votos válidos (167.853). Isso significa dizer que a chapa “Lula Livre para mudar o Brasil”, impulsionada pela tendência Construindo um Novo Brasil (CNB), indicará sozinha 409 delegados dos 800 delegados ao congresso nacional.

As denúncias de fraudes e irregularidades, se apuradas, atingiriam diretamente o resultado da chapa da CNB. Fica evidente que este fator foi decisivo para que tanto a COE quanto a executiva nacional, que são compostas em sua maioria por representantes desta tendência, decidissem por ignorar as contestações e impor uma maioria absoluta que está, em certa medida, sustentada em práticas que devem ser expurgadas do partido.

Do ponto de vista do resultado eleitoral do PED, a chapa “Em tempos de guerra, a esperança é vermelha” construída pela tendência petista Articulação de Esquerda, conseguiu manter o mesmo tamanho obtido ao menos nos últimos dois processos de disputa, recebendo cerca de 5% da votação nacional.

Este resultado, apesar de não ser suficiente para, mesmojunto a outras tendências da chamada esquerda petista, quebrar com a maioria obtida pela CNB e seus aliados, pode ser compreendida de forma positiva. Afinal, uma chapa construída por uma única tendência, que defende uma estratégia diferente daquela que hoje é hegemônica no partido, que não teve o apoio de nenhum governo de estado, de nenhum senador e de somente três deputados federais, conseguiu ter individualmente um resultado semelhante ou até mesmo superior à média das demais tendências do campo identificado como “esquerda petista”, como a Democracia Socialista, Militância Socialista, Avante, Novo Rumo, Esquerda Popular Socialista e Resistência Socialista.

Nesse sentido, um balanço do PED feito de conjunto impõe a reflexão sobre a tática adotada pelo conjunto deste campo, que no período anterior ao do início do PED foi responsável pelo movimento em prol da realização do 7º Congresso. Mesmo com a condução dada pela COE para as denúncias de fraudes e irregularidades, não seria errado afirmar que um maior número de chapas e de pré-candidaturas teria contribuído para um desempenho global melhor deste campo.

No fim das contas, conforme o resultado divulgado no dia 20 de setembro, a chapa nacional “Lula Livre! Fora Bolsonaro! Governo Democrático Popular!”, construída pela DS, MS e Avante, obteve 13,7% dos votos; a chapa “Lula Livre! Resistência Socialista”, da tendência Resistência Socialista obteve 11,1% dos votos; e a chapa “Optei pela renovação e pelo socialismo – Lula Livre!”, construída pelas tendências Novo Rumo e EPS, obteve 5,1% dos votos.

No que diz respeito aos congressos estaduais, um balanço mais geral é de que as chapas construídas pela CNB e seus aliados conseguiram vencer a maioria das disputas, como foi o caso de AL, GO, PA, PE, SP, RJ, MG, CE, BA, SE, RN, sendo que nos casos de SP, RJ, BA e MG, uma série de denúncias de fraudes, violência, distorções e mudanças de regras para beneficiar a apuração de votos foram cometidas, mas aceitas e ratificadas pela COE. Em estados como a PB e o MS não houve disputa e as novas direções estaduais foram compostas por meio de acordo entre todas as chapas.

A chapa construída pela articulação de esquerda junto a outras forças da esquerda petista foi vitoriosa no RS. No mesmo sentido as chapas apoiadas ou construídas pela AE levou à polarização em PE e permitiu que houvesse debate, como em SE e no RN. Por fim, é necessário destacar que a tática adotada pela AE, de apresentar chapa, candidatura e tese no maior número de congressos estaduais possível revelou-se acertada.

Diante das profundas distorções causadas pelo PED, a melhor maneira de uma tendência como a AE seguir disputando os rumos do PT é apresentando suas posições, discutindo com o conjunto da militância e não se dissolvendo em meio a posições que muitas vezes permitem um resultado eleitoral abaixo do necessário e com uma política não fica a altura daquilo que o PT precisa.

(*) Patrick Araujo é dirigente nacional da tendência petista Articulação de Esquerda

Este post tem um comentário

  1. Eugênio

    Seria interessante comparar os números relativos à participação dos filiados no PED2019 com os números do encontro de 1998, último antes da criação do PED em 2001. Tenho o palpite que, em termos relativos (e talvez mesmo em termos absolutos), deve ter havido maior participação dos filiados em 1998 do que agora, em 2019.

Deixe uma resposta para Eugênio Cancelar resposta