Do Opera Mundi

Reprodução-  País sofre com a escassez de insumos e o recrudescimento da pandemia, que já registrou 164.310 casos

Após protestos em Assunção, na capital do Paraguai, na noite desta sexta-feira (05/03), contra a falta de políticas sanitárias de Mario Abdo Benítez, presidente pediu neste sábado (06/03) que todos os ministros coloquem seus cargos à disposição.

País sofre com a escassez de insumos e o recrudescimento da pandemia, que já registrou 164.310 casos confirmados e 3.256 mortes, segundo os dados do Ministério da Saúde paraguaio.

Informação foi divulgada por Juan Manuel Brunetti, ministro de Tecnologias da Informação e Comunicação, que disse que presidente “escutou o povo”.

“Em nome do presidente, anuncio que ele escutou o povo. Ele pede paz e calma entre os paraguaios, e respeita as manifestações pacíficas. Nesse sentido, convocou seu gabinete e pediu a todos os membros que coloquem seus cargos à disposição”, disse Brunetti.

O choque começou quando os manifestantes avançaram em direção à barreira de proteção do Congresso. Do outro lado, a polícia começou a disparar jatos d’água, balas de borracha e bombas de gás lacrimogêneo contra manifestantes, alguns responderam com pedras. Ao mesmo tempo, protestos também ocorriam em frente ao Palácio do Governo.

Diante do cenário, um grupo de policiais, comandados pelo delegado Silvino Leguizamón, levantou um lenço branco em sinal de trégua, uma vez que os manifestantes estavam em maior número e diversos agentes já tinham sido feridos.

Pouco antes das manifestações, o ministro da Saúde, Julio Mazzoleni, renunciou ao cargo, após a aprovação do Senado de uma resolução que pedia seu afastamento.

“É um momento em que é absolutamente necessário estarmos unidos para combater a pandemia e o interesse nacional está acima de qualquer pessoa e espero que esta decisão sirva para a união do país”, afirmou o agora ex-ministro após se reunir com o presidente.  O documento do Senado também apontou para a necessidade da demissão do vice-ministro, Julio Rolon, e do diretor geral de Vigilância, Guillermo Sequera. Esses, no entanto, seguem em seus cargos.

A indignação no país também tem a ver com a lentidão do governo na aquisição de vacinas e no processo de imunização: até quinta-feira (04/03), o país tinha vacinado 1.635 pessoas com o imunizante russo Sputnik V. O Paraguai, com uma população de quase sete milhões de pessoas, adquiriu apenas quatro mil doses de vacinas no último 17 de fevereiro. No mesmo dia, Abdo anunciou um acordo com o governo da Rússia para a compra de mais um milhão de doses da Sputnik V, sem dar detalhes sobre datas.

Após os protestos, deputados do Partido Liberal Radical Autêntico (PLRA), que faz oposição ao governo, anunciaram que apresentarão na próxima semana um pedido de impeachment contra o presidente, pela repressão aos manifestantes e a sua gestão frente à pandemia.

“Marito”, como é popularmente chamado, faz parte do Partido Colorado, que governa o país praticamente de forma ininterrupta desde a década de 1940. Ele tomou posse em 2018 e, um ano depois, foi alvo de um processo de impeachment devido a um acordo secreto entre o Paraguai e o Brasil sobre a renegociação dos termos de distribuição da energia da usina hidrelétrica binacional de Itaipu. Os termos foram cancelados e o presidente escapou do impeachment.

(*) Com Brasil de Fato.

Comente!