Eleição sem Lula é Fraude!!
O SUS é nosso!!
Ninguém tira da gente!
Direito conquistado, não se compra e não se vende!!
O “Luta Saúde” foi criado em 2017, reunindo um grupo de militantes e simpatizantes do Partido dos Trabalhadores, comprometidos com a construção do socialismo, com os princípios da reforma sanitária e com os pressupostos constitucionais do SUS, tendo como espaços privilegiados de atuação os setoriais de saúde dentro do partido, os movimentos sociais fora do partido e os conselhos de saúde no Estado. Para fortalecer nossa hegemonia no plano político, teórico e programático na sociedade, no estado e no partido, mulheres e homens de todas as idades, etnias e gêneros, organizados em diversos estados, defendem a soberania, a democracia, o emprego, os direitos sociais, a sustentabilidade ambiental e a ética pública na atual conjuntura histórica. Na luta contra os golpistas, os facistas e os neoliberais, em uma estratégia defensiva de acúmulo de forças, defendemos a unidade do campo democrático, popular e socialista para mobilizar o movimento de massas, para garantir as eleições em 2018 e para eleger Lula presidente.

A direita já definiu sua agenda na escalada golpista: “segurança”. Tendo como pressupostos a defesa da soberania, da democracia e do emprego, no quadro da crise econômica e de medo vivido pelos trabalhadores e pelas famílias com a ampliação do estado de exceção, devemos defender no programa de governo do PT os direitos sociais e os investimentos públicos. Em particular devemos escolher o SUS como nossa principal bandeira, porque esse eixo de intervenção tem o potencial de ampliar o grau de consciência de classe da nossa base de apoio político, de contribuir para manter o apoio da nossa base social e eleitoral e, ainda, de favorecer a ampliação do apoio das camadas médias da população. As pesquisas de opinião demonstram há muitos anos que a saúde é um dos principais problemas apontados pela sociedade brasileira. Priorizá-la nos fortalecerá na luta de massas e na disputa eleitoral contra os golpistas, os neoliberais e os fascistas: o SUS lida com a vida e a morte em um contexto de agravamento das condições epidemiológicas dos brasileiros; reduz a desigualdade e desconcentra a renda em um contraponto à política de austeridade fiscal; e é intensivo em força de trabalho, favorecendo a retomada do crescimento econômico e a produtividade do trabalho em um novo ciclo de desenvolvimento.

Descarregue aqui a publicação completa: 

Comente!

Fechar Menu
×

Carrinho