“Erga a voz em favor dos que não podem defender-se,
seja o defensor de todos os desamparados.
Erga a voz e julgue com justiça;
defenda os direitos dos pobres e dos necessitados”
Provérbios 31:8,9

Por Mariuza Guimarães (*)

O país vive um fenômeno há alguns anos. As igrejas evangélicas, presentes no país desde 1555, não tiveram grande influência no país por muitos anos em razão da preponderância da religião católica trazida pelos colonizadores. Entretanto, no Censo de 2010, pelo menos numericamente, houve um aumento considerável de igrejas, de denominações e de pessoas que se autodeclararam evangélicos/as, chegando a 50% em um grande número de cidades brasileiras.

Com esse crescimento, em especial das igrejas denominadas neopentecostais que surgem no início da década de 1970 e com sua teoria da prosperidade, há um intenso investimento em evangelismo, usando as mídias como a principal ferramenta, rádio, televisão, jornal, e por último a internet. Esse crescimento se refletirá na inserção dos chamados “crentes” na política, usando, inclusive, os púlpitos como espaços de defesa de projetos e candidatos em todas as instâncias, criando no Congresso Nacional uma bancada significativa, que a mídia começou a chamar de “Bancada da Bíblia”.

No entanto, na prática, estes pouco apresentaram seus projetos em consonância com a Bíblia, a regra de fé e vida dos “crentes”. Suas tendências, pelo contrário, se identificam com a direita e, nos últimos anos com a extrema direita, beirando o nazifascismo, defendendo o uso de armas, a violência contra negros e negras, contra grupos LGBTQI+, contra feministas, entre outros grupos intitulados minorias no contexto do capitalismo.

Já o Partido dos Trabalhadores e das trabalhadoras desde a década de 1980, quando de sua fundação, conta em seus quadros com evangélicos e evangélicas, como é o caso de Benedita da Silva, deputada federal, ex-governadora do Rio de Janeiro. A organização desse público desde a primeira década dos anos 2000, realizando atividades eventuais, culminou na criação do Núcleo de Evangélicos do PT (NEPT), em 2012.

O Primeiro Encontro Nacional do NEPT se deu em 2019, resultando em proposta de fortalecimento desse grupo no interior do PT, por meio da criação de Núcleos em todos os estados e municípios brasileiros nas instâncias do PT, conforme definido em seu Estatuto.  A partir desse trabalho, aconteceu nos dias 4 e 5 de setembro o Segundo Encontro de Evangélicos e Evangélicas do PT, com uma programação repleta de estudos bíblicos que dão o tom de porquê o PT é o Partido que melhor representa os ensinamentos de Jesus.

A Palavra de Deus, a partir do Novo Testamento que traz os ensinamentos de Jesus, indica o amor, a solidariedade, o reconhecimento das diferenças, a defesa da vida, o livre arbítrio, entre outros, como os sentimentos que devem nortear as relações humanas. Não há na Bíblia apologia à morte, à intolerância religiosa, à miserabilidade, à fome, à violência de gênero ou outros discursos que dão o tom de alguns que se autodenominam evangélicos. Enfim, podemos citar aqui diversos versículos bíblicos que falam da prática petista.

Mas para tornar isso público não podemos nos intimidar. A hora de falarmos ao povo de Deus é agora. Você que é evangélico e defende as nossas causas venha conosco nessa luta em defesa do bem e da boa política.  A Página dos/as evangélicos/as do PT no Facebook traz as mídias onde você pode nos acompanhar: https://www.facebook.com/evangelicospt/about.

(*) Mariuza Guimarães é professora universitária, petista, socialista e evangélica

 

 

Comente!