Finalizado o segundo turno das eleições municipais, é necessário que o PT Campinas realize um detalhado balanço eleitoral em todos os níveis e, em particular, de Campinas, levando em consideração nossos avanços e limites.

A candidatura de Pedro Tourinho e Edilene Santana, que cumpriu com dignidade e correção política a tarefa de representar um novo projeto político para a cidade, deve ser saudada por toda militância petista.

Da mesma forma, devemos comemorar o aumento da bancada do PT, com a eleição de Guida, Paolla e Cecílio.

Nossa campanha majoritária, corretamente, polarizou o debate político e denunciou o desmonte das políticas públicas pelos governos estadual e federal, assim como em Campinas.

Denunciamos durante toda a campanha que as candidaturas de Dário Saadi e Rafa Zimbaldi, oriundas da desastrosa administração Jonas Donizete, representavam o mesmo projeto.

Nesse sentido, é fundamental que o PT Campinas comece desde já a organizar a luta política e social contra o futuro governo. Ganhe quem ganhar, será uma continuidade do governo atual, ao qual somos oposição.

Para isto, é preciso capilarizar a esquerda na cidade, para que haja oposição social, política e cultural contra as tentativas de desmontes dos serviços públicos. Portanto, é fundamental que o PT adote uma nova conduta, e que o ano de 2021 seja o ano de retomada da presença do PT na periferia da cidade.

Como parte deste processo, defendemos que PT Campinas não indique voto em nenhuma das candidaturas postas nesse segundo turno, porque não há mal menor. Esta manifestação pode se dar de várias formas, dentre as quais: votar em branco, votar nulo, ou simplesmente não comparecer para votar.

Assim, manteremos nossa autonomia e capacidade política de enfrentar o bolsonarismo e a barbárie social, fortalecendo a luta da classe trabalhadora.

Campinas, 17 de novembro de 2020.

Comente!