Por Ana Affonso (*)

No Brasil, vivenciamos o governo Bolsonaro com a perda dos direitos sociais. Além disso, temos o avanço do fascismo, com aprofundamento do preconceito. O retorno da fome e da miséria ao nosso país é o custo do enriquecimento de banqueiros e empresários amigos do presidente. Não há perspectiva de vida digna para a população com este governo que vive da exploração da classe trabalhadora e do ódio às mulheres, negros, LGBTQIA+, jovens, estudantes e até à ciência. O descaso com a pandemia levou e leva milhares de vidas brasileiras, enquanto o representante maior da nação faz piadas para a sua claque.

Nesse contexto, se evidencia cada vez mais a importância dos serviços públicos, sucateados anos após anos, em que o ponto alto é a Emenda Constitucional 95, emenda do congelamento de verbas feita por Temer logo após o golpe à presidenta eleita Dilma.

Junto com Bolsonaro, o governo estadual de Leite, do PSDB, aproveita a pandemia para aprofundar o projeto neoliberal de privatizações, redução de direitos e de investimentos nas políticas sociais, não faz testagem em massa, não tem ações para proteger empregos e renda.

Essas figuras têm seus representantes e defensores na cidade de São Leopoldo. A mesma sanha exploratória contra os mais pobres, que serve para enriquecer ainda mais os mais ricos e que ocorre em nível federal e estadual, acontece também no município. E é importante que se saiba quem são os defensores dessas políticas, pois seus discursos geralmente vêm travestidos de defesa do povo, invariavelmente imersos em mentiras e as tão famosas “fake news”. Além disso, são os mesmos que estavam no governo Moa que bateu em professores, atrasou salários, superfaturou os uniformes, abandonou as escolas, quebrou o SEMAE deixando uma dívida de R$ 37 milhões, reduziu os investimentos nas políticas sociais.

Como contraponto, o Governo Vanazzi fez projetos que significam avanços para São Leopoldo, recuperou os investimentos, não reduziu direitos dos servidores, gerou empregos, atendeu a população frente à pandemia em defesa da vida e com distribuição de kits alimentação para famílias de baixa renda. Além disso, ampliou a rede de saúde, escolas e 200 ruas com calçamento e pavimentação.

A partir destes desafios, em uma convenção semipresencial, o Partido dos Trabalhadores de São Leopoldo confirmou na tarde deste domingo, 13, a chapa majoritária para a eleição de 15 de novembro. O atual prefeito Ary Vanazzi vai concorrer à reeleição, tendo como vice o pedetista Ary Moura e o apoio do Republicanos, PSB, PTB e PCdoB.

O prefeito Ary Vanazzi fez uma fala bastante emocionada. Lembrou as lutas nestes últimos quatro anos, a ausência de investimentos dos governos Bolsonaro e Leite. Mas também animou a militância com palavras em defesa da educação, da saúde, do cuidado com a população mais pobre da cidade. Sem descuidar do desenvolvimento econômico, empregos e geração de renda.

Também foram aprovados os/as 20 pré-candidatos/as a vereador/a, que participaram de forma virtual. Entre as candidaturas, está confirmado o nosso nome, para concorrer à reeleição como vereadora do PT.

Esta terra é território de democracia e resistência. Por isso, não permitiremos que os golpistas que destroem o Brasil e o RS cheguem perto da prefeitura. Aqui, não deixaremos que São Leopoldo se torne o que o Brasil está sofrendo com este desgoverno federal. O nosso diálogo, respeitando os cuidados com a pandemia, tem criado núcleos setoriais e populares para enfrentar os fascistas e neoliberais que praticam políticas contra os mais pobres. Com esta disposição vamos afirmar o projeto do PT e do campo democrático e popular.

(*) Ana Affonso é vice-presidenta do PT/RS, Vereadora e Líder da Bancada do PT – Ana Affonso

 

Comente!