Página 13 divulga manifesto da tendência petista Articulação de Esquerda do Mato Grosso do Sul aos filiados e filiadas do PT.

Manifesto aos filiados e filiadas do Partido dos Trabalhadores

 O PT, a democracia, o diálogo e uma saída à esquerda para Mato Grosso do Sul

“Não estamos alegres,

É certo,

Mas também por que razão

Haveríamos de ficar tristes?

O mar da história

É agitado.

As ameaças

E as guerras

Havemos de atravessá-las.

Rompê-las ao meio,

Cortando-as

Como uma quilha corta

As ondas.”

Maiakóvski, em “O que quereis?”

No atual momento a pandemia de Covid-19 já infectou mais de 243 mil pessoas em Mato Grosso do Sul, levando à morte de mais de 5,5 mil sul-mato-grossenses, colocando nosso estado acima da média brasileira. Denunciamos o verdadeiro genocídio praticado pelo projeto político ultraliberal aplicado pelo governo militar-empresarial-financista de Bolsonaro em aliança com os partidos de direita e extrema-direita (PSDB, PSD, DEM, PSL, MDB, Republicanos, PTB, dentre outros) e seus representantes nos governos estadual e municipais e nos parlamentos. Além do atentado sanitário, este projeto é o responsável pelo galopante desemprego, pela miséria, a fome, a perda de direitos e a violência contra o povo trabalhador.

Nesta terrível realidade prestamos nossa solidariedade com as milhares de famílias que perderam entes queridos para a COVID 19 – a grande maioria trabalhadores e trabalhadoras pobres, negros e indígenas. É junto destes e destas que nosso Partido está e registramos, inclusive, as perdas de muitos rostos conhecidos de companheiros e companheiras de luta.

Nossa solidariedade se estende ao mesmo tempo aos trabalhadores e trabalhadoras que se expõe diariamente para garantir a sobrevivência de suas famílias e da vida em sociedade, com a produção de alimentos, de bens e de serviços, mesmo assim sendo atacados e abandonados por patrões e governantes. Dentre estes destacamos os servidores/as públicos, especialmente os da saúde, que lutam diariamente na linha de frente de combate à pandemia ao mesmo tempo em que têm seus salários congelados, as condições de trabalho precarizadas e ainda vivem o receio da desestruturação de todo o serviço público caso seja aprovada a reforma administrativa.

Reafirmamos a necessidade e a urgência de incessante luta pelo Fora Bolsonaro e seu governo que, não fosse a política genocida planejada e ora implementada, muitas vidas teriam sido preservadas.

A crise econômica e sanitária sem precedentes está causando revolta no povo e divisões no condomínio golpista da classe dominante. Neste contexto, entendemos que a ação prioritária do Partido dos Trabalhadores/as é defender comida no prato, vacina no braço, emprego, renda mínima universal e o Fora Bolsonaro imediatamente, articulado com a convocação de eleições livres e democráticas. As iniciativas que visem preservar a vida e as condições de subsistência do povo brasileiro, requer de cada filiado e filiada ao Partido dos Trabalhadores/as todo apoio militante nesse momento.

As divisões e contradições na classe dominante combinadas com a resistência e luta do povo trabalhador e das organizações de esquerda, resultaram nas recentes decisões do Supremo Tribunal Federal, que anularam os processos-farsa nos quais o presidente Lula, a maior liderança do povo trabalhador, foi acusado, condenado e preso. A operação lava-jato, coordenada pelo ex-juiz Sérgio Moro – notoriamente parcial – em conluio com o Ministério Público e instâncias superiores do poder judiciário, foi desmascarada, desmoralizada e encerrada. E o presidente Lula, preso e retirado ilegalmente da corrida presidencial de 2018, teve seus direitos políticos restabelecidos. Embora continue a ser perseguido, Lula está livre e poderá liderar a luta política do povo trabalhador para derrotar o projeto ultraliberal da direita e da extrema-direita nas ruas, nas redes e nas urnas.

Vislumbramos uma esperança renovada para nosso povo!

Defendemos que cada seção do Partido dos Trabalhadores/as deve se preparar, discutir e agir para apresentar o máximo de candidaturas próprias aos governos dos estados, incluindo Mato Grosso do Sul. Temos quadros qualificados para enfrentar esse desafio, que combinam experiência em disputas eleitorais, engajamento com as pautas e lutas do povo trabalhador, qualificação intelectual e profissional, que possibilitarão aglutinar um polo de esquerda, capaz de disputar apoio e votos na sociedade, em torno de um projeto de desenvolvimento econômico sustentável e que respeite o meio ambiente e a biodiversidade, com distribuição de renda, e ampla, legítima e responsável participação popular em nosso estado.

O Partido dos Trabalhadores/as também tem plenas condições de conformar uma chapa proporcional com legitimidade de representação da classe trabalhadora, com densidade política, eleitoral e social. E assim, disputar a eleição de uma bancada de deputados e deputadas e senador/a de esquerda, comprometidos/as com os interesses da maioria da população e firme posicionamento em defesa de direitos e de democracia.

Embora limitado pelas diretrizes de controle da pandemia pelo novo coronavírus, a tarefa principal do Partido dos Trabalhadores/as é a sua organização, com implementação de ação política efetiva e autêntica em seus princípios, em todos os municípios do Estado de MS. Propomos à Direção do PT-MS que organize, em articulação com as direções locais, a realização de plenárias virtuais locais, gerais e setoriais, periódicas como instrumento de formação e fortalecimento do projeto político, nos meses de maio, junho e julho. E que também organize plenárias virtuais estaduais livres para toda a militância neste período.

As instâncias partidárias são os espaços democráticos, legítimos e representativos para debater e deliberar as questões de interesse do partido e da sociedade.

Coordenação Estadual da Articulação de Esquerda – tendência interna do PT

Campo Grande, 25 de abril de 2021

Deixe uma resposta