Redação Página 13 (*)

Deputado Federal José Airton Cirilo (PT / CE)

Militantes, filiados e simpatizantes petistas de todo o país estão engajados no processo eleitoral visando representar o PT e o seu projeto político nesse pleito, debatendo a situação local e nacional, dialogando com a população, defendendo o Partido dos Trabalhadores e o campo popular.

Vivemos tempos de retrocessos sociais, econômicos e políticos. E uma das faces mais perversas é a destruição de direitos conquistados em décadas de luta da classe trabalhadora e do povo brasileiro. Resultado de uma ofensiva golpista desencadeada pelas classes dominantes a partir de 2014, quando não aceitaram a quarta derrota nas urnas.

Um golpe contra o povo, contra a esquerda em geral e contra o PT em particular. As forças da direita e da extrema-direita nunca esconderam que um dos seus objetivos é derrotar e destruir o PT, tirá-lo de cena, excluí-lo da luta política do país. Sabem da resistência que o PT é capaz de impor, em conjunto com outras forças populares, ao projeto ultraliberal e neofascista.

Em 2020, a campanha eleitoral nem mesmo havia iniciado e já se anunciava na mídia oligopolizada o “desaparecimento do PT” nessas eleições, o “seu encolhimento”, de que tornar-se-ia “irrelevante”. Sairia “menor do que entrou”. De que o “PT ruma para o desastre”. Uma operação ideológica e política para enfraquecer o PT e isola-lo junto ao eleitorado e ao povo, procurando desacreditar o Partido junto as bases sociais e eleitorais.

A resolução sobre Tática Eleitoral, aprovada pela Executiva Nacional em 07 de fevereiro, mencionava que “disputaremos 2020 em cada município, mas sem perder a dimensão do contexto nacional nos destinos de cada uma de nossas cidades. Vencer a disputa local é importante passo para superarmos a agenda do atraso e DERROTAR BOLSONARO E SEU GOVERNO.

Isso só será possível se as petistas e os petistas de todo o país se dispuserem a enfrentar esse desafio – esse é o chamado do partido. DEVEMOS PARTICIPAR DAS ELEIÇÕES EM TODOS OS MUNICÍPIOS EM QUE FOR POSSÍVEL, especialmente naqueles municípios com eleições em dois turnos e os que têm emissoras de rádio e TV geradoras de programas do horário eleitoral” (leia a resolução na íntegra aqui).

A resolução também vetava alianças com DEM, PSDB extrema-direita: “O PT Nacional decide que não ocorram alianças com os partidos que sustentam o projeto ultraneoliberal (DEM, PSDB) e veta qualquer aliança com aqueles que representam o extremismo de direita em nosso país.”

A diretriz política, de participarmos das eleições onde for possível, foi abraçada em boa medida pelo Partido, de tal modo que aumentamos significativamente o número de candidaturas a prefeito.  Saímos de 971 em 2016 para 1.256 em 2020. Embora, ainda muito aquém de 2012 (quando tivemos 1.763 candidatos) e das necessidades políticas e eleitorais (40% do eleitorado não terá a opção de votar no 13 para a majoritária).

No entanto, algumas lideranças e parlamentares do Partido insistem em adotar posicionamentos políticos que afrontam a orientação do Partido, desacumulam politicamente e desmoralizam a militância.

Estamos nos referindo aos casos de deputados e figuras públicas do PT que realizam campanha para candidatos da direita.  Campanhas abertas, onde pedem votos do eleitorado aos candidatos da direita. A situação torna-se ainda mais grave nas cidades onde há chapa própria do Partido para a prefeitura e para a câmara de vereadores.

Já noticiamos aqui no Página 13 os apoios do deputado federal Vander Loubet a dois candidatos a vereador pelo PSDB, em cidades diferentes, onde não apenas temos chapa própria, como lutamos contra o PSDB para conquistar representação nas câmaras e nas prefeituras das duas cidades (detalhes aquiaqui )  .

Outro caso foi o do ex-governador Zeca do PT, que em vídeo pediu votos a um candidato do PP. Novamente, em uma cidade onde o PT tem a sua chapa própria à vereança. Onde disputamos contra a direita, inclusive o PP, as eleições para a prefeitura e a Câmara de Vereadores ( detalhes aqui ).

Agora, José Airton Cirilo, deputado federal pelo Ceará, resolveu também aderir às campanhas da direita. Em um card, o parlamentar petista faz uma declaração de apoio a uma candidata a vereadora em Icapuí (CE) pelo PSD.

Deputado José Airton Cirilo (PT) declarando apoio à candidata da direita

Mais uma vez, trata-se de uma cidade onde temos chapa própria a vereadores e ao Executivo Municipal.  Disputamos inclusive contra o candidato do PSD/PSDB, que aparece no material, a eleição para a prefeitura da cidade. Objetivamente, nosso deputado está fazendo campanha para os nossos adversários, que querem nos derrotar na cidade tanto na eleição proporcional quanto na majoritária. Que se eleitos, fortalecem partidos da direita e não o PT. Qual o sentido disso?

Chapa de vereadores pelo PT em Icapuí / CE – Fonte https://www.diariocidade.com/ce/icapui/eleicoes/2020/candidatos/

 

Candidatos a prefeito em Icapuí (CE). Candidato do PT é Eurivan de Paula e não Lacerda 55/PSD (Fonte: https://www.diariocidade.com/ce/icapui/eleicoes/2020/candidatos/ )

Além das razões políticas, há de se lembrar aos “esquecidos” o que diz o nosso Estatuto, em seu Artigo 227, inciso IX,: “constitui infração ética e disciplinar a propaganda de candidato ou candidata a cargo eletivo de outro Partido ou de coligação não aprovada pelo PT ou, por qualquer meio, a recomendação de seu nome ao sufrágio do eleitorado”.

Em defesa do PT, não podemos aceitar e tampouco compactuar com esse tipo de situação. É preciso denunciar, desnaturalizar e combater essa concepção e essa prática política. Precisamos de um Partido com nitidez programática, política e ideológica. Um Partido combativo e construído coletivamente. Um Partido onde suas orientações políticas e a sua disciplina não sejam solenemente desprezadas por alguns.

(*) Contato: redacao@pagina13.org.br

 

 

 

 

 

 

Comente!