Por Redação Página 13 (*)

Anísio Maia, candidato petista à prefeitura de João Pessoa (PB) em campanha ontem (24)

O ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Edson Fachin, anulou neste sábado (24) uma decisão do juíz da 64ª Zona Eleitoral contra a intervenção nacional sobre o diretório municipal de João Pessoa do Partido dos Trabalhadores.

No dia 16 de setembro, uma Convenção Municipal do Partido homologou chapa majoritária paras as eleições municipais de João Pessoa formada por Anísio Maia e Percival e Percival Henriques (PT e PCdob). A poucas horas do encontro, contudo, o ex-governador Ricardo Coutinho (PSB) comunicou que seria candidato a prefeito.

Membros da direção nacional pressionaram os dirigentes de João Pessoa a retirarem a candidatura própria, ao passo que estes responderam que não havia mais tempo político para isso, que a construção da candidatura própria era resultado de uma construção coletiva e unitária, sob apoio inclusive da própria direção nacional, por meio da sua presidenta; que, por meses, sem resultado, o PSB foi procurado para uma construção conjunta. Portanto, seria mantida a chapa.

A maioria da direção nacional então resolveu, no mesmo dia, intervir na Convenção, anulando a chapa Anísio/Percival para impor uma aliança com o PSB e encaminhou a sua decisão à 1ª Zona Eleitoral de João Pessoa, para informar da intervenção.  A direção municipal apresentou suas razões e obteve, em várias instâncias, o direito de manter a candidatura própria.

Ato contínuo, a direção nacional  decidiu intervir no Diretório do PT de João Pessoa, para impor uma Comissão Interventora, comandada por Cícero Legal. Um mandado de segurança impetrado pelos diretórios locais, no entanto, fez com que o ato fosse suspenso na primeira instância.

Alegando  usurpação de competência  do Juiz Eleitoral da 64ª Zona Eleitoral da Paraíba, o Diretório Nacional entrou com uma ação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para que o mandado de segurança fosse anulado. Com a decisão de Fachin, o comando do partido volta para o advogado Cícero Legal, um interventor.

No entanto, essa decisão não retira a candidatura de Anísio Maia e Percival da disputa eleitoral. A campanha petista e de seus aliados prossegue. Contudo, a disposição da direção nacional do Partido de impedir uma candidatura petista em uma capital, confrontando o processo político construído pelos dirigentes e pela militância paraibanas, para atender ao desejo de uma figura pública do PSB, que se apresentou para a disputa, reiteramos, a poucas horas da convenção petista,  chama a atenção.

Lembramos que a própria Executiva Nacional aprovou resolução no início do ano orientando que capitais e grandes cidades deveriam ter candidaturas próprias. Lembramos também que depois de várias tentativas de conversas com sem uma sinalização do PSB, a própria presidenta Gleisi Hoffmann defendeu a candidatura petista em João Pessoa.


(*) Contato: redacao@pagina13.org.br

 

 

 

 

Comente!