A Editoria Página 13 e a Escola Latino-americana de História e Política (Elahp) publicam uma coletânea de artigos sobre o centenário do movimento comunista no Brasil, o qual possui como marco inicial a fundação do PCB em março de 1922.  O livro é um desdobramento de um curso realizado pela (Elahp) sobre o mesmo tema.

Para descarregar a versão eletrônica da coletânea, clique aqui.

O leitor e a leitora também podem conferir, a seguir, a apresentação do livro, escrita por Valter Pomar.

BOA LEITURA!

Apresentação – 100 anos de comunismo no Brasil

O ponto de de partida deste livro é um curso realizado pela Escola Latino-americana de História e Política (Elahp) sobre os 100 anos do comunismo no Brasil.

O curso começou no dia 10 de julho de 2021 e seu plano inicial incluía 46 horas distribuídas nas seguintes 23 aulas: 1) uma introdução geral e uma exposição sobre a fundação do Partido Comunista (antecedentes, o congresso, as resoluções); 2) o Partido Comunista e a Internacional Comunista nos anos 1920; 3) o Partido Comunista frente a Revolução de 1930, a contrarrevolução de 1932, a Aliança Nacional Libertadora e o Levante de 1935; 4) o Partido Comunista durante a ditadura Vargas, a conferência da Mantiqueira e a fase final do governo Vargas; 5) a legalidade, a participação nas eleições e na Constituinte, a cassação da legenda e dos mandatos; 6) do “Manifesto de janeiro” de 1947 à “Declaração de março” de 1958, passando pelas grandes greves, a morte de Vargas e o impacto do XX Congresso; 7)do V congresso de 1960 à cisão de 1962; 8) o PCB e o golpe de 1964, o VI Congresso do PCB e as cisões da luta armada; 9) o PCdoB e o golpe de 1964, a Sexta Conferência e as cisões; 10) a luta armada urbana e o Araguaia; 11) o PCB nos anos 1970: resistência clandestina, direção no exterior e quedas; 12) o balanço do Araguaia, Queda da Lapa e a VII Conferência do PCdoB; 13) o PCB, a reorganização depois da Anistia e da LOPP; 14) o PCdoB, a reorganização depois da Anistia e da LOPP; 15) a Unidade Comunista, a Ala Vermelha, o PCR, o PRC e o MR8; 16) as relações dos partidos comunistas com o PT; 17) os partidos comunistas frente a crise do socialismo; 18) o surgimento do PPS e a reorganização do PCB; 19) o PCB no período dos governos Lula e Dilma; 20) o PCdoB no período dos governos Lula e Dilma; 21) o PCB frente ao centenário de fundação; 22) o PCdoB frente ao centenário de fundação; 23) os comunistas do Brasil e brasileiros frente ao centenário.

Em comparação com o plano inicial, houve apenas duas alterações: a aula 15 foi convertida em um estudo de caso sobre a experiência do PRC; e a última aula, prevista para ser um debate, foi transferida para 2022 (atividade não realizada até o momento em que esta apresentação está sendo escrita).

O curso contou com um plural grupo de professoras e professores: Ana Prestes, Breno Altman, Dulce Pandolfi, Edmilson Costa, Iole Iliada, José Reinaldo Carvalho, Marly Vianna, Mauro Iasi, Milton Pinheiro, Moara Crivelaro, Sofia Manzano e o autor desta apresentação.

Também convidamos para dar aula um integrante da Unidade Popular (PCR) e Wladimir Pomar, que por distintas razões não participaram do curso. Tínhamos a decisão de convidar, para o debate final, a professora Anita Prestes (posteriormente ela declinou participar do presente livro).

Com base na experiência do curso, concebemos esta coletânea. O plano original previa um capítulo sobre a trajetória do movimento comunista desde 1848, vários capítulos fazendo o balanço da trajetória do comunismo no Brasil e ensaios finais sobre “o que o futuro nos reserva”. Com alguns ajustes, o plano foi implementado. No final das contas, a coletânea inclui o ponto de vista de pessoas que militaram e/ou militam no PCB, no PCdoB, no PRC e no PT: Ana Prestes, Breno Altman, Edmilson Costa, Iole Iliada, José Reinaldo de Carvalho, Marly Vianna, Rayane Andrade, Rodrigo Freire, Ronald Rocha, Valter Pomar e Wladimir Pomar. Em conjunto com o curso citado anteriormente, permite uma visão ampla e plural acerca da trajetória do movimento comunista em nosso país.

Encerramos esta apresentação prestando nossa homenagem à militância comunista, parte indissociável das lutas travadas pela classe trabalhadora e pelo povo brasileiro, ao longo dos últimos cem anos, em favor da igualdade social, das liberdades democráticas, do desenvolvimento, da soberania nacional e por outro mundo, um mundo sem explorados nem exploradores. Não há como provar se e quando teremos êxito, mas podemos garantir que a luta vai continuar, no Brasil e no mundo, em busca da “terra sem amos” cantada na Internacional.

Paz entre nós, guerra aos senhores!☭

Valter Pomar, 17 de março de 2022

P.S. contribuíram para a edição final deste livro Adriano Bueno, Daniel Valença e Emílio Font.

Este post tem um comentário

  1. REINALDO SANTANA LIMA

    Parabéns! Parabéns!! Parabéns!!!!

Comente!