Por Valter Pomar (*)

Está causando rebuliço nos meios petistas o tema tratado no texto abaixo:

https://www.cartacapital.com.br/cartaexpressa/quem-tem-voto-em-sao-paulo-somos-o-alckmin-e-eu-diz-haddad/

Pulo a parte sobre quem teria voto no estado de São Paulo e me limito ao tema das alianças.

Segundo o texto de Carta Capital, Haddad estaria procurando construir uma aliança com Márcio França e com Geraldo Alckmin.

Alckmin estaria de saída do PSDB.

E França está no PSB.

Que em São Paulo é uma sublegenda do PSDB.

Carta Capital diz ainda que Haddad cogitaria ter França na vice e Alkmin disputando a vaga do Senado.

Destaque-se que as aspas atribuídas a Haddad não afirmam isso.

As declarações de Haddad citadas na revista são mais contidas: “mesmo quando uma aliança não é possível, voce pavimenta o caminho para uma solução boa para o Estado e para o país no segundo turno, que não foi o que aconteceu em 2018”.

Haddad também teria dito, segundo Carta Capital, que se ele e Alckmin forem para o segundo turno, “teremos uma disputa de primeiríssimo nível. Se não, temos que decidir o que é melhor para São Paulo”.

Sinceramente não sei onde se baseia a afirmação de que uma disputa contra Alckmin pode ser de alto nível.

Mas é preciso considerar que, desde que o cavernícola entrou em cena, muita gente esqueceu do que os tucanos et caterva são capazes.

Ainda segundo Carta Capital,  Haddad descarta a aliança com o PSOL, com os seguintes termos: “a gente respeita o PSOL, acha que o PSOL tem que lançar candidato, que o PT tem que lançar candidato. São programas diferentes e perspectivas também”.

A pergunta é: o mesmo raciocínio não valeria ipsis litteris para o PSB? E para Alckmin?

Afinal, os programas e as perspectivas do PSB e do PT também são diferentes.

Aliás, muito mais diferentes do que os programas do PT e do PSOL.

Pois, repito, em São Paulo o PSB é sublegenda do PSDB.

Motivo pelo qual esta aliança só aconteceria sobre o cadáver moral de uma das partes.

E teria como principais beneficiários não os supostos aliados, mas sim quem estiver à sua direita e à sua esquerda.

Já vimos em São Paulo capital no que dá este tipo de estratégia.

Motivo pelo qual o “melhor para São Paulo” é Haddad liderar uma candidatura, uma campanha e um programa de esquerda, bem longe dos tucanos e de suas variantes.

(*) Valter Pomar é professor e membro do Diretório Nacional do PT

Comente!