Por Humberto Amaducci (*)

O cenário político para 2022, em Mato Grosso do Sul, revela-se o pior dos últimos tempos em nossa história.

Vamos ter que encarar com muita firmeza e enfrentar nosso maior inimigo: “nós mesmos”… nossas falhas organizacionais, nossa desmotivação, nosso descrédito, preguiça e medo. Além do comportamento atual de algumas lideranças que não são capazes de atender as expectativas de nossa militância, muito menos oferecer confiança ao nosso povo, que segue cada vez mais confuso com o explícito comportamento de aproximação com OS GOLPISTAS, numa tal Frente Ampla, que tem todos, menos o povo.

O momento atual exige, de cada um de nós, muita clareza em nossas posições. É preciso compreender que estamos numa verdadeira guerra de classes, imposta pelo andar de cima, e conciliação para eles não existe.

O momento atual é de RADICALIZAR em projetos e propostas de reforma agrária, no combate à violência contra as mulheres, na demarcação das terras indígenas, por um SUS 100% público, na questão ambiental, na defesa das comunidades LGBTQI+, no combate ao preconceito racial etc …

O momento atual nos apresenta um futuro de guerra, de agravamento das atuais incertezas que ameaçam veementemente a nossa democracia.

Neste momento decisivo, é urgente e necessário que cada um de “NÓS” assuma um comportamento de coragem para estar ao lado do nosso povo, que já não consegue ver muita esperança pela frente.

O comportamento desesperado do poder pelo poder desmotiva e decepciona quem “AINDA” acredita que podemos reverter esse quadro e, enfim, vencermos essa guerra com a consciência de que ela não acaba em 2022 e simplesmente se agravará com Lula ou sem Lula na Presidência da República. O que aumenta a importância de eleger Lula, com um claro propósito de colocar o governo federal a serviço do povo.

(*) Humberto Amaducci é dirigente do PT MS. Foi prefeito de Mundo Novo (MS) e candidato a governador do Mato Grosso do Sul nas eleições de 2018.

Comente!