Candidato de esquerda virou apuração no começo da tarde desta segunda; boa parte de votos que ainda faltam contar vem de regiões favoráveis a Castillo

Por Opera Mundi

O candidato do Perú Libre, Pedro Castillo, assumiu a liderança da apuração do segundo turno das eleições presidenciais do país e, com mais de 95% das urnas processadas, segue ampliando vantagem em relação a Keiko Fujimori. O esquerdista tirou uma diferença, que chegou a ser de seis pontos percentuais no início da contagem, a favor da filha do ex-ditador Alberto Fujimori.

Os votos que ainda faltam ser apurados são de regiões onde Castillo é mais forte – caso de Cusco, por exemplo, onde o candidato do Perú Libre tem obtido votos na proporção de 8 para 2. Até às 20h desta segunda-feira, a região havia alcançado 93% das urnas apuradas, com muitos votos ainda por contar. As áreas onde Keiko é mais popular já estão com a apuração muito avançada. Lima, por exemplo, onde a candidata de extrema direita possui uma ampla base de eleitores, já processou 100% dos votos.

Sem contar os votos vindos do exterior, a vantagem de Castillo é ainda maior: com mais de 98% das urnas apuradas, o sindicalista tem 50,321%, enquanto a conservadora Fujimori alcança 49,679%.

Veja como está a apuração no Peru:

Como a apuração avançou ao longo do tempo:

A pesquisa de boca de urna divulgada logo após o encerramento da votação apontou para um empate técnico entre Castillo e Keiko, filha do ex-ditador Alberto Fujimori. No entanto, a boca de urna dava vantagem à direitista; já a contagem rápida, ao candidato da esquerda.

Logo após a definição do segundo turno, as primeiras pesquisas davam 20 pontos de vantagem de Castillo sobre Fujimori. No entanto, o último levantamento antes do pleito apontou uma diminuição da diferença, mas ainda com liderança do sindicalista: 51,1% dos votos válidos contra 48,9% de sua adversária.

Como foi a votação no Peru

Cerca de 24 milhões de peruanos estavam convocados para retornar às urnas neste domingo. Os eleitores puderam votar até as 19h locais (21h no Brasil). O sufrágio no país é obrigatório, assim como no Brasil.

Segundo levantamento da Universidade Jonhs Hopkins, o Peru contabiliza, desde o início da pandemia, 1.965.693 casos da covid-19 e 185.380 mortes. Além de infecções, o mapa aponta que o governo peruano aplicou 4.207.543 doses de vacinas contra o vírus.

No primeiro turno, em abril deste ano, 18 candidatos concorriam à Casa de Pizarro. Após uma disputa no qual pesquisas apontavam empate técnico entre cinco candidatos, Castillo saiu vitorioso, com 18,92% dos votos.

O país teve quatro presidentes nos últimos três anos. Em 2018, Pedro Pablo Kuczynski foi destituído. Em novembro do ano passado, seu vice, Martín Vizcarra, também foi afastado do cargo. Após a saída de Vizcarra, Manuel Merino assumiu o poder, mas renunciou após uma semana. O quarto presidente, Francisco Sagasti, conduz um governo provisório e não se candidatou neste pleito.

Este post tem um comentário

  1. Luciene Maria Malta de Souza Figueiroa

    Pedro Castillo foi eleito presidente do Peru
    É uma vitória, com certeza, entretanto o novo presidente é CONTRA muitas pautas imprescindíveis para um governo socialista: direito ao aborto, população LGBTQIA+, discussão sobre gênero. Vamos fortalecer nossas companheiras peruanas
    A América Latina será toda feminista, antirracista e antiLGBTfóbica

Comente!