Do Página 12 (AR) / Tradução Marcos Jakoby

No encontro organizado pelo grupo Simón Bolívar, o ex-líder cocaleiro se referiu às eleições de 18 de outubro, nas quais o MAS deve “vencer por uma grande diferença” para evitar que a direita volte a falar em fraude.

Imagem: Adrián Pérez

O ex-presidente da Bolívia, Evo Morales , sabe que seu país está, mais uma vez, diante de um dilema histórico. Ele também acredita que a direita, que já orquestrou o golpe que a retirou do poder em novembro de 2019, fará todo o possível para que o Movimento pelo Socialismo (MAS), favorito em todas as urnas, não consiga prevalecer nas eleições do 18 de outubro. “ Eles sabem que vamos vencer as eleições e que a oposição buscará evitar a vitória de Luis Arce por golpe ou fraude. Por isso é preciso vencer por ampla diferença”, disse Morales, que considera que votar no exterior é fundamental e, portanto, o mesmo que a embaixada da Bolívia na Argentina tentará “sabotar a votação” da maior comunidade de residentes bolivianos no exterior. Além disso, como uma conta pendente para evitar um perigoso segundo turno que significaria a aliança dos setores mais reacionários e conservadores do país, o ex-líder cocaleiro entende que o MAS deve melhorar sua campanha nas cidades . 

Morales participou do “Café da Manhã Latino-americano” organizado pelo grupo Simón Bolívar, onde falou em modo virtual a mais de 300 militantes, lideranças sociais e jornalistas.

“No final da década de 1980, um grupo de jovens do movimento camponês indígena e indígena se perguntou: por quanto tempo de cima e de fora vão nos governar? Quando vamos governar a nós mesmos?” Perguntou Morales. início do debate. Para o presidente derrubado por um golpe, a semente que acabou germinando no MAS constitui uma experiência única no mundo: “É um movimento que construímos pela libertação. Portanto, o golpe que sofremos no ano passado não foi só para o indiano, mas também para o modelo econômico . 

De eleições e pesquisas

Imerso na reta final da campanha, Morales se perguntava: “Por que o governo de fato adia três vezes as eleições? Porque sabiam que íamos vencer no primeiro turno e por grande maioria. Obrigaram-nos a nos mobilizar . E com as mobilizações de agosto nos desgastamos nas cidades ”. O ex-presidente boliviano referiu-se assim às manifestações que se repetiram em diferentes partes do país , organizadas pela Central Obrera Boliviana (COB) e militantes de base do MAS. Para eles, o próprio Evo Morales, que permanece asilo na Argentina, foi acusado de “genocídio” e “terrorismo”.

As últimas pesquisas de intenção de voto para as eleições de 18 de outubro continuam a favorecer o candidato do MAS, Luis Arce O ex-ministro da Economia de Morales obteria 44,4% dos votos, ante 34% de Carlos Mesa , candidato à Comunidade Cidadã, segundo levantamento do Centro Estratégico Latino-Americano de Geopolítica (Celag) . Em terceiro lugar aparece Luis Fernando Camacho, da aliança Creemos, com 15,2 por cento. Uma votação anterior transmitida pelo canal Unitel atribui 41,2% das intenções de voto à Arce e 33,5% de apoio ao Mesa. Em qualquer caso, a diferença de Arce com os demais se mantém, embora nada garanta uma vitória no primeiro turno .

Imagem

A importância de votar no exterior

Morales entende que as pesquisas são corretas e necessárias, embora omitam um elemento fundamental: “Não se leva em conta o voto do exterior. Membros da embaixada boliviana na Argentina e consulados vão sabotar porque sabem que somos devastadores”. Segundo informações do Tribunal Superior Eleitoral , constam do cadastro eleitoral 7.332.925 pessoas autorizadas a votar. Desse total, 301.631 vivem fora da Bolívia: isso representa pouco mais de 4% do censo. Na Argentina, país estrangeiro com mais residentes bolivianos, 142.568 cidadãos têm direito ao voto, número que é quase o dobro dos autorizados, por exemplo, no departamento de Pando (72.136).

Outro fator que define a importância do voto na Argentina é que nas eleições presidenciais de 2014 o MAS obteve mais de 92 por cento dos votos e em 2019 foi superior a 82 por cento . “No ano passado alguns não foram votar porque confiamos em nós mesmos. Agora não devemos confiar em nós mesmos. Li uma nota de integrantes da embaixada argentina respondendo a mim dizendo que o que Evo diz é falso. Mas na verdade eles vão tentar sabotar. O objetivo é ganhar amplamente para que não digam que houve fraude e nós vamos conseguir“ disse Morales, e por isso convocou os bolivianos que moram na Argentina a votarem e guardarem o voto.“ Eles estão nos provocando. Querem a demissão do procurador-geral Juan Lanchipa, provocar uma convulsão para suspender as eleições e fazer uma nova convocação. É aí que Jeanine Áñez, Tuto Quiroga e Fernando Camacho querem entrar e nos dividirmos ”, afirmou.

Retornar para uma América Latina unida

Morales também dedicou alguns minutos a uma aliança regional necessária e urgente. “ Eu gostaria que os tempos de Chávez, Lula, Kirchner, Correa voltassem … Retorno à Unasul e Celac que acabaram com as doutrinas de segurança nacional daquela época. O que Donald Trump fez? Organizar o Grupo Lima para atacar Nicolás Maduro. Temos que fortalecer esses espaços que construímos, temos que recuperar a integração latino-americana ”, disse, ao comparar o“ império norte-americano ”com um pit bull dog:“ morde e não larga, e esse deixar vai custar ”. 

O presidente deposto por um golpe também afirmou ter “boas lembranças” do “camarada” Néstor Kirchner : “Por exemplo, quando nacionalizamos o petróleo e as empresas disseram que iam sair, foi um escândalo. Dissemos que se quiserem ser sócios ficam, Mas 82 por cento são bolivianos. Naquele momento, Kirchner me ligou e disse: “Diga às empresas de petróleo que, se não investirem, investirei na Bolívia. De repente, as transnacionais silenciaram”.

A defesa dos recursos naturais é uma questão central para Morales. “Estou convencido de que no Ocidente eles só nos querem para que a América Latina possa garantir a matéria-prima .” Nesse sentido, ele lembrou o senador republicano Richard Black, que confessou que os Estados Unidos promoveram um golpe na Bolívia por causa do lítio. Ou nas palavras do dono da Tesla, o bilionário Elon Musk, que “disse textualmente no dia 24 de julho: -Vamos dar o golpe onde queremos, lidem com isso”. Por isso, para Morales hoje, mais do que nunca, a luta é por quem controla e administra os recursos naturais. Para o ex-presidente, seria maravilhoso poder industrializar o lítio e para “Bolívia, Argentina e Chile definirem o preço para o mundo inteiro” .

Morales também destacou que os latino-americanos devem repensar o papel das Forças Armadas . “Lembro-me que alguns anos depois de nos tornarmos presidentes, um comandante me surpreendeu ao dizer: -Somos antiimperialistas. E é verdade, durante a luta pela independência em 1810 os mestiços se organizaram e se juntaram à luta do movimento indígena. As Forças Armadas nasceram na Bolívia anticolonial e devem ser recuperadas ”, afirmou. De Buenos Aires, o ex-presidente conhece perfeitamente os desafios e obstáculos que o MAS enfrenta para estar à altura da situação. No entanto, ele nunca perde o otimismo: “Com a unidade e a participação do povo, no dia 18 de outubro devolveremos milhões e devolveremos a liberdade e dignidade ao povo boliviano” .

Comente!

×

Carrinho