No momento em que estamos chegando ao final de mais uma campanha, queremos agradecer a todas e todos que vieram somar esforços em nossa luta. Receba o nosso muito obrigado.

É também momento de renovar a esperança e sonhar com a certeza de um amanhã muito melhor. Precisamos parar o desgoverno e a destruição da política, pois se partirmos do princípio de que a política é a expressão de um povo, que através dela o povo exprime à vontade, a cultura, a liberdade, a concepção do seu querer para a sociedade, então precisamos urgentemente mudar muitos atores que hoje se travestem de governantes e fazem da política um estandarte de violação aos direitos, aos interesses coletivos, as liberdades e usurpam dela para benefícios próprios.

É hora de banir o ódio, a intolerância, o individualismo e a falta de respeito.

Precisamos da política como arte da diplomacia.

A diplomacia tem como âncora a compreensão, a vontade do diálogo e o entendimento aplicado às relações, que podem ser pessoais, institucionais, internacionais.

E isso se torna imperativo a todos a difícil tarefa de ouvir e reconhecer o outro, de exercitarmos a diplomacia.

Vivemos tempos difíceis, estamos passando por uma das maiores crises sanitárias de nossa história. Uma pandemia que ceifou a vida de mais de 160 mil pessoas. O desemprego é crescente e dentro deste cenário os nossos governantes apresentam uma agenda de diminuição do papel do Estado, atacam direitos e retiram conquistas.

Por isso, para além das eleições queremos dizer que a nossa luta vai continuar e vai exigir de todos nós a solidariedade, a união para a recondução do país onde a política não se mova pelo medo, pela insegurança e nem pelo ódio.

É nosso papel renovarmos a esperança e alimentarmos o desejo de todos por uma sociedade justa, democrática e feliz.

Por isso, hoje é preciso como princípio banir o ódio, estreitar laços, nos solidarizarmos com todas as pessoas que perderam seus entes queridos, amigos, amigas em virtude da pandemia, com todos aqueles que foram empurrados para a condição de desempregados e passam por sérias dificuldades, com aqueles que perderam renda, negócios e buscam sobreviver. É preciso ainda neste momento nos solidarizar com todas as trabalhadoras e trabalhadores da saúde que colocaram sua vida em risco para salvar outras.

Torcemos e não vamos medir esforços para que o País, o Estado, o Município voltem ao caminho da prosperidade, do crescimento e acima de tudo da solidariedade. Sigamos.

Que Domingo 15 de Novembro, possamos fazer a melhor escolha para a Nossa querida São Caetano do Sul, sobretudo em um ambiente de paz e de alegria.

Vera Severiano

Candidata a vice prefeita de São Caetano do Sul – SP, pelo PT na chapa de João Moraes

Comente!