1) A Comissão Executiva Nacional do PT (CEN) aprovou uma resolução em fevereiro muito clara sobre a tática eleitoral: “Vencer a disputa local é importante passo para superarmos a agenda do atraso e DERROTAR BOLSONARO E SEU GOVERNO. Isso só será possível se as petistas e os petistas de todo o país se dispuserem a enfrentar esse desafio (…). Devemos participar das eleições em todos os municípios em que for possível, especialmente naqueles municípios com eleições em dois turnos e os que têm emissoras de rádio e TV geradoras de programas do horário eleitoral.” A resolução ainda diz sobre apoios fora da esquerda: “desde que candidato(a) tenha compromisso expresso com a oposição a Bolsonaro e suas políticas”.

2) Em janeiro o Diretório Regional aprovou uma resolução sobre tática eleitoral  (https://www.ptrj.org.br/rumos2020/) na vanguarda do que viria da CEN: “O estado do Rio de Janeiro é fundamental para esses objetivos, assim como a retomada do protagonismo do PT, desafiado a elaborar uma estratégia política de médio-prazo para a disputa de hegemonia na sociedade fluminense. Devemos aproveitar a mobilização gerada pelo processo eleitoral e travar o debate político com inteligência a partir do diagnóstico e proposições para os problemas das cidades com base nas referências dos governos populares.” A mesma resolução afirma como prioridades do PT-RJ, novamente antecipando a posição nacional, o lançamento do maior número possível de candidaturas nas cidades com mais de 100 mil habitantes.

3) Em 2019 o DM aprovou por unanimidade a candidatura própria nas eleições 2020 (https://m.facebook.com/hp?story_fbid=690255084725487&id=368675016883497 ). E dois anos antes já havia expulsado um vereador por apoiar “o pacote neoliberal de Washington Reis” de arrocho e penalização dos servidores públicos. Estas resoluções foram expressão da vontade da base militante no município, cansada de ver o PT-Caxias fazendo alianças sem base programática e ideológica, e sim em busca de atender projetos pessoais e a ocupação de cargos de forma fisiológica.

4) Repentinamente setores do PT-Caxias, articulados com setores do Estadual, passaram a defender apoio à reeleição do prefeito Washington Reis. Porém, esta posição é um total desrespeito a resolução da CEN, pois:

a. W. Reis, por conta da anunciada doença, fez questão de ir votar pelo impeachment da presidenta Dilma Rousseff, precisando, para tal, levar equipe médica (https://oglobo.globo.com/brasil/deputado-do-pmdb-leva-equipe-medica-para-votar-favordo-impeachment-19107096). Ele foi o primeiro a proferir o voto por conta da saúde.

b. W. Reis fez campanha para Bolsonaro e é o líder do bolsonarismo e ultraliberalismo em Caxias. É aliado de primeira ordem do presidente miliciano, convidado para agendas presidenciais (http://agendadopoder.com/lstartile.aspx?id=719), recebido com pompa no Palácio do Planalto em Brasília (https://meiahora.ig.com.br/geral/policia/2019/06/5649433-caxias-busca-investimentos.html), é citado em lives de Bolsonaro (https://www.facebook.com/watch/?v=2198866097018189). Chegou a construir uma escola com recursos do município para ser um Colégio Militar da PM e ter o nome do pai do Bolsonaro. Mais bolsonarismo impossível.

c. W. Reis foi um dos deputados, ao lado do deputado Jair Bolsonaro e Marcos Feliciano, que defendeu o pastor Marcos Pereira da Silva quando este foi preso por vários estupros e envolvimento com o tráfico, em mais uma ação da bancada dos coronéis da fé (https://www.youtube.com/watch=ESJvdRbms&feature=youtu.be).

d. W. Reis possui um desprezo aos servidores públicos típico dos neoliberais, como se vê neste vídeo onde diz que funcionários que não têm dinheiro para a passagem por conta de salários atrasados devem sair para dar as vagas para outros: https://g1.globo.com/globonews/jornalglobonews-edicao-das-10/video/prefeito-de-duque-decaxias-rj-sugere-que-servidores-sem-salarios-larguem-oemprego-6244966.ghtml.

5) O PT precisa e tem todas as condições de apresentar outro caminho para o desenvolvimento de Caxias, e não ser linha auxiliar da ultradireita. Apresentar propostas de geração de emprego e renda para a população de Caxias, de valorização dos profissionais da educação e dos servidores públicos como um todo, que enfrente a máfia das empresas de ônibus, que pense na segurança pública, que fortaleça o SUS, que acabe com a cultura de transformar a prefeitura em cabide de emprego.

#CandidaturaPrópriaEmCaxias
#ParaDerrotarNeofascismoUltraliberalismo

Direção Estadual da Articulação de Esquerda

Rio de Janeiro 16 de março de 2020

 

Comente!