Por Valter Pomar (*)

Passei os últimos dias esperando a presidenta nacional do PT desautorizar publicamente o noticiário sobre Alckmin na vice.

Afinal, o assunto não foi tratado nem no Diretório Nacional, nem na Executiva Nacional do PT.

Portanto, fiquei entusiasmado quando li uma postagem da companheira Gleisi Hoffman explicando que “nota sobre eleições (…) não foi submetida à direção partidária”…

… mas aí me dei conta que Gleisi não falava do Alckmin na vice, mas sim das eleições na Nicarágua!

Para quem não leu, aqui está:

 

Que a nota não foi submetida à direção, é verdade.

O restante que está na nota da Gleisi também é certo.

Mas no contexto, o post da Gleisi desautoriza a nota da SRI.

Fui SRI do PT entre 2005 e 2010 e secretário executivo do Foro entre 2005 e 2013 e não me lembro de uma desautorização parecida, nem antes, nem durante, nem depois de eu sair da secretaria.

Será que a nota assinada pelo secretário de relações internacionais diz alguma barbaridade?

Fui no site do Partido e não achei a nota.

Segundo informam a Carta Capital e o Poder360, a nota teria sido retirada.

Está no site do Partido apenas a crítica feita pela presidenta, mas não está a nota criticada.

Como se vê, falar em defesa das liberdades é mais fácil do que praticar as liberdades, inclusive dentro de um partido de esquerda.

De toda forma, o assunto já é público, como se pode ler abaixo:

https://www.cartacapital.com.br/politica/os-bastidores-burocraticos-da-nota-do-pt-em-defesa-da-vitoria-na-nicaragua/

https://www.poder360.com.br/internacional/pt-exclui-nota-de-saudacao-a-reeleicao-de-ortega-na-nicaragua/

Pedi e consegui com outra pessoa a tal nota, que diz o seguinte:

“Saudação às eleições nicaraguenses” 

“O Partido dos Trabalhadores (PT) saúda as eleições nicaraguenses realizadas neste domingo, 7 de novembro, em uma grande manifestação popular e democrática deste país irmão”. 

“Os resultados preliminares, que apontam para a reeleição de Daniel Ortega e Rosario Murillo, da FSLN, confirmam o apoio da população a um projeto político que tem como principal objetivo a construção de um país socialmente justo e igualitário”. 

“Esta vitória será conquistada apesar das diversas tentativas de desestabilização do governo e do bloqueio internacional contra a Nicarágua e seu atual governo, uma situação que penaliza principalmente os mais pobres e necessitados”. 

“Esperamos seguir com a FSLN neste caminho de construção de uma América Latina e Caribe livres e soberanos, uma região de paz e democracia social que possa servir de exemplo para todo o mundo“.

Tirando o tom mais entusiasmado, a nota da SRI do PT é similar a nota divulgada pelo Foro de São Paulo, que afirma o seguinte:

“La Secretaría Ejecutiva del Foro de São Paulo saluda las elecciones realizadas en Nicaragua este 7 de noviembre, en ambiente de paz y gran participación popular”.

“Esperamos que se confirmen los resultados preliminares, con la reelección del binomio Daniel Ortega y Rosario Murillo, reafirmando el deseo de la población por la continuidad del gobierno del FSLN, que ha trabajado exitosamente por el pueblo nicaragüense y la reconstrucción del país, a pesar de los intentos de desestabilización interna y externa”.

“Juntos en el Foro de São Paulo, resistiremos contra las injerencias extranjeras en nuestros países para construir una América Latina y el Caribe de paz y justicia social”.

A nota do Foro está disponível aqui: https://forodesaopaulo.org/saludo-a-las-elecciones-nicaraguenses-del-7n/

A nota do PT só tenho em pdf, porque como já se explicou foi retirada do site do Partido.

A nota da SRI é assinada por Romênio Pereira.

A nota do Foro é assinada por Monica Valente.

Ambos integram a comissão executiva nacional do PT.

Da companheira Gleisi a cada um dos filiados do Partido, todo mundo tem o direito de divergir do conteúdo das notas acima.

Mas se o Partido quer mudar de posição acerca da Nicarágua e da FSLN, o certo é fazer um debate na instância adequada.

Discordo da atitude de desautorizar publicamente a posição expressa – legitimamente – pelo secretário da pasta e discordo da postura de retirar a nota do site do Partido.

Aliás, este método de “governar por tuítes” não é muito recomendável.

Por fim: conheço um pouco a Nicarágua, conheço um pouco a FSLN e acho necessário debater em profundidade a situação naquele país.

Mas sinceramente não acho que o problema de fundo seja a Nicarágua.

O problema de fundo é a ofensiva do governo Biden sobre a região, ofensiva que inclui fazer demagogia (supostamente) em nome da democracia contra o “autoritarismo” (chinês, cubano, venezuelano, nicaraguense, do Foro de SP etc.).

É isto que está em jogo. Os nicaraguenses são apenas a bola da vez. Já vimos na Libia, na Siria e no Iraque como termina este tipo de operação.

ps. saiu a nota tão esperada por mim. Aqui vai.

(*) Valter Pomar é professor e membro do Diretório Nacional do PT

 

 

Este post tem um comentário

Comente!