Por Valter Pomar

O jornal O Globo publicou, no dia 30 de dezembro de 2018, uma entrevista do governador reeleito Camilo Santana, concedida ao jornalista Sérgio Roxo.

Na entrevista, Camilo Santana defende que deva existir uma “relação institucional” entre o governo do estado do Ceará e o governo federal.

Esta é, certamente, a posição de vários governadores e prefeitos do PT e de outros partidos que defenderam a candidatura de Haddad nas eleições de 2018.

Entre outros problemas, cabe saber se recíproca será verdadeira.

Afinal, não há nenhum motivo para acreditar no bom funcionamento das “instituições” num governo presidido por Bolsonaro, com Mourão na vice e Moro na “Justiça”.

Mas disso Camilo não fala.

E uma questão é: se a relação institucional não for recíproca, qual deve ser a atitude dos governantes vinculados a oposição, em particular os vinculados ao Partido dos Trabalhadores?

Evidentemente Camilo Santana também não fala sobre isso.

Mas o PT precisa debater a respeito, até porque tivemos experiências muito difíceis (e diferentes entre si) no passado recente, com os governos estaduais liderados por Cristovam Buarque, Jorge Viana, Olívio Dutra e Vitor Buaiz.

Sem falar do ocorrido no curto governo golpista de Temer.

E sem citar a recentíssima declaração — que se verdadeira, é inaceitável — dada pelo governador da Bahia e que pode ser lida aqui:

https://politica.estadao.com.br/noticias/geral,rui-costa-pt-diz-que-nao-medira-esforcos-para-ajudar-governo-bolsonaro,70002663558

Voltando a Camilo Santana, na entrevista à Roxo ele reafirma ter “uma relação muito positiva com o Ciro e com o Cid”, “uma aliança muito forte no Ceará”, “muito mais nos une do que nos separa”.

E reitera sua posição, defendida antes das eleições: “que nós apoiássemos o Ciro. Defendi até a chapa Ciro-Haddad. Acho que esse era o melhor caminho nesse momento”.

Nenhuma palavra é dita por Camilo acerca da postura de Ciro, no segundo turno e depois.

Nem tampouco acerca do tipo de “oposição” proposta por Cid Gomes.

Este silêncio só reforça a impressão de que a relação de Camilo Santana com os Ferreira Gomes é mais forte do que sua relação com o PT.

Camilo chega a dizer não ter dúvida de que o resultado da eleição “poderia ser outro, até porque o Ciro foi o terceiro colocado e o Haddad, o segundo”.

Posto nestes termos, claro que Camilo tem razão: “poderia”.

Assim como “poderia” não ser.

Aliás, até Lula “poderia” ganhar ou “poderia” perder as eleições.

E se a chapa Haddad-Manuela foi ao segundo turno, é quase certo que uma chapa Ciro-Haddad também “poderia” ir.

Assim como uma chapa Haddad-Ciro também “poderia” ir ao segundo turno.

Mas hoje sabemos que Haddad não “poderia”, teve mais votos que Ciro.

E também sabemos com certeza que Ciro faz questão de dizer que recusou ser candidato a vice de Lula. Ou seja, recusava ser candidato apoiado pelo PT.

Camilo “poderia” ter falado disso tudo. Mas não falou.

Novamente, isto reforça a impressão de que Camilo Santana é um representante, com algumas mediações, das posições defendidas pelos Ferreira Gomes no interior do PT.

Pelo que diz na entrevista, Camilo Santana reforça implicitamente a tese segundo a qual não houve aliança com Ciro por causa do PT.

E reforça, explicitamente, um dos pretextos utilizados por Ciro para justificar sua atitude sectária frente ao PT: “houve uma reação muito forte ao PT nessa eleição, principalmente no Sul e Sudeste. Um antipetismo muito grande”.

Na narrativa desenvolvida por Camilo, o resultado das eleições não se deve ao golpe de 2016, não se deve a condenação/prisão/interdição de Lula, não se deve as inúmeras ilegalidades cometidas durante a campanha. Deve-se unicamente a tal “rejeição ao PT”.

Como é óbvio, dada a narrativa citada, perguntam a Camilo se “foi um erro ter lançado o Haddad nessas circunstâncias?”

Camilo responde que“não cabe mais discutir se foi erro ou não. Já passou. Vamos agora pensar no futuro”.

Ou seja, ainda que de jeito torto, Camilo admite que poderia ter sido um erro lançar Haddad. Ele apenas não quer mais discutir o assunto.

Assim como pelo visto não quer discutir a operação que uns fazem para destruir e outros fazem para isolar o PT, operação de que Ciro Gomes faz parte.

Camilo Santana termina a entrevista falando do tema da hora: a autocrítica.

Segundo Camilo, “o PT precisa se reinventar, reavaliar os seus caminhos, se reorganizar, se aproximar das suas bases, movimento sindical e, muitas vezes, reconhecer os erros que foram cometidos. Acho que isso faz parte, isso demonstra de certa forma para a população e para o povo que todos estão sujeitos a cometer erros. Faltou um pouco isso para o partido, ter humildade. Querer construir um projeto que seja um projeto de nação. Isso precisa estar muito claro, não só para o PT, mas para todos os partidos. Às vezes, nosso posicionamento não é muito aprovado dentro das agremiações, mas tenho um estilo de sempre defender aquilo que acredito”.

Da minha parte, acho ótimo que Camilo Santana e qualquer outra pessoa possam defender, sempre, aquilo em que acreditam.

Lançando mão deste mesmo direito, defendo que a abordagem adotada por Camilo está errada.

Óbvio, não defendo que o PT não errou.

A começar pela aliança feita por Camilo e pelo PT do Ceará com o senador Eunício, eu acho que muitos erros foram cometidos, tanto em 2018, quanto ao longo dos governos Lula e Dilma, quanto antes, quanto no futuro serão cometidos outros erros, alguns novos e outros velhos.

Também óbvio, não defendo que o PT não possa nem deva fazer autocrítica.

Eu, por exemplo, gostaria que o PT fizesse uma autocrítica acerca da estratégia adotada desde 1995. E que esta autocrítica contribuísse para a construção de outra estratégia, voltada a construir e conquistar o poder de Estado para as classes trabalhadoras, na perspectiva de construir o socialismo no Brasil.

Sendo assim, em que sentido divirjo da abordagem adotada por Camilo nesta entrevista?

Divirjo, porque quando espanamos os lugares comuns e as generalidades ditas por ele, restam algumas afirmações bem “estranhas”.

Vejamos primeiro os lugares comuns e as generalidades, ou seja, coisa que todo mundo diz quando não sabe bem o que dizer: “reinventar”, “reavaliar os seus caminhos”, “se reorganizar”, “se aproximar das suas bases”, “reconhecer os erros que foram cometidos”, “todos estão sujeitos a cometer erros”, “vários erros cometidos, estratégicos do partido”, “autocrítica é importante”, “erros cometidos pelo próprio governo na condução da política econômica, narelação com movimentos sociais”, “faltou ao PT um pouco (de autocrítica) durante todo o processo”, “o antipetismo precisa ser reavaliado, analisado. Alguma coisa está errada. É preciso reconhecer”.

Não conheço petista, não importa de que tendência seja, que em algum momento não tenha dito pelo menos uma das frases listadas acima entre aspas.

Agora vamos ao que considero como dois “detalhes estranhos”.

Primeiro: perguntado sobre os “escândalos de corrupção”, Camilo diz que “não é só isso”.

Longe de mim não querer discutir o tema da corrupção. Faço isto pelo menos desde 2005.

E longe de mim achar que estranho que um militante de base aceite uma afirmação genérica sobre “escândalos de corrupção”.

Mas penso que um governador, uma liderança nacional do PT, não poderia tratar do tema de maneira tão passiva, tão “altaneira”, pois isto simplesmente reforça e legitima a narrativa da Operação Lava Jato: o PT como um partido envolvido em “escândalos de corrupção”.

O equívoco é agravado pelo fato da entrevista não falar de Lula, da campanha por revogar sua pena e conseguir sua liberdade.

O segundo detalhe está na argumentação a seguir: “Faltou um pouco isso para o partido, ter humildade. Querer construir um projeto que seja um projeto de nação. Isso precisa estar muito claro, não só para o PT, mas para todos os partidos”.

Segundo o que está dito, faltou ao PT “construir um projeto que seja um projeto de nação”.

Ou seja: segundo Camilo, o PT “fez muito esforço e foi um grande vitorioso. Considero que o partido mais vitorioso dessa eleição foi o PT: elegeu o maior número de governadores, a maior bancada de deputados federais, elegeu senadores. Tirou 45% dos votos para presidente com um candidato que foi apresentado a 20 dias da eleição”.

Mas o mesmo PT, segundo o mesmo Camilo, não tem um “projeto de nação”.

Ouvimos Ciro Gomes e outros repetirem isso a campanha inteira.

E antes disso, ouvimos muitos outros lançaram essa acusação contra nós: o PT coloca seus interesses como partido acima dos interesses gerais.

Camilo propõe que reconheçamos, como objeto de uma autocrítica, que o PT precisa “construir um projeto que seja um projeto de nação”.

O que Ciro Gomes, e outros bem mais importantes do que Ciro, querem dizer quando lançam esta acusação?

O que eles querem dizer, vamos traduzir, é que o PT não deve colocar em primeiro lugar os interesses da classe trabalhadora.

O que eles querem dizer, vamos traduzir, é que o PT deve colocar em primeiro lugar os interesses e necessidades do capitalismo brasileiro, que eles identificam como o projeto da nação.

O que eles querem dizer, vamos traduzir, é que eles não aceitam que o PT considere os interesses das classes trabalhadoras como sendo os mais legítimos interesses nacionais.

Para que fique claro onde este jeito de ver as coisas vai resultar, Camilo diz que não é só o PT, mas “todos os partidos” que devem colocar em primeiro lugar o “projeto de nação”.

Portanto, ele está falando de um “projeto” supostamente capaz de unificar “todos” os partidos, do PSL e do PSDB, até o PT, o PCdoB e o PSOL.

Portanto, no limite a autocrítica sugerida por Camilo nos conduziria a converter o PT em um genérico partido de centro-esquerda, abandonando nosso projeto de classe.

Esta é a autocrítica que o lado de lá quer que nós façamos.

Esta é a autocrítica que nunca poderemos fazer.

Fonte: Blog do Valter Pomar

Este post tem um comentário

  1. Mais uma vez vivos cumprimentos a Valter Pomar! Suas ponderações são claras, objetivas e cirúrgicas por que analisam e desconstroem o discurso fácil da a/criticidade que se coloca no que diz respeito ao PT.
    E, sinceramente, a defesa ou silêncio em relação ao comportamento de Ciro é inaceitável! Isso nao vamos esquecer!

Comente!

Fechar Menu
×

Carrinho